search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

“Já comemorava a cura, mas ele não resistiu”

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

“Já comemorava a cura, mas ele não resistiu”


Júlia de souza, 49, mãe do soldado Jean Zanon, 29, mostra foto dele no computador: “Ele era um filho abençoado”   (Foto: Acervo de família)
Júlia de souza, 49, mãe do soldado Jean Zanon, 29, mostra foto dele no computador: “Ele era um filho abençoado” (Foto: Acervo de família)
Há sete anos na Polícia Militar protegendo e salvando vidas, o soldado Jean Zanon Venturim Ronconi, de 29 anos, entrou em uma batalha, que começou no dia 8 de maio, na qual teve de brigar com um grande inimigo: o coronavírus. Para tristeza da família, o rapaz, que chegou a ficar internado 10 dias no Hospital Jayme dos Santos Neves, na Serra, acabou não resistindo e morreu às 19h30 do último domingo (24).

A mãe do militar, a cozinheira Júlia de Souza Zanon Venturin Ronconi, de 49 anos, conversou com a reportagem de A Tribuna, na tarde de ontem, e disse que toda família estava confiante na cura do filho. Ela afirmou que, antes de adoecer com o coronavírus, o soldado era saudável e não tinha qualquer comorbidade.

A Tribuna – Quando ele começou a passar mal?
Júlia de Souza – Em 8 de maio. Começou com vômito e febre. Ele foi para o Hospital da Polícia Militar (HPM), onde foi atendido e liberado. Depois disso, precisou voltar mais duas vezes no HPM, porque sentia os mesmos sintomas, só que da última vez (dia 14), fizeram tomografia e detectaram que o pulmão não estava bem e por isso ficou internado lá mesmo.

A Tribuna – Ele chegou a ser transferido para o hospital Dr. Jayme?
Júlia de Souza – Na madrugada do dia 15, horas antes que ele tinha se internado no HPM, a situação se agravou e ele precisou ser transferido para hospital Dr. Jayme, na Serra.

PM Jean Zanon Venturim Ronconi (Foto: Acervo de família)
PM Jean Zanon Venturim Ronconi (Foto: Acervo de família)
A Tribuna – Como estava o quadro de saúde dele no Jayme?
Júlia de Souza – Ele já chegou indo para o balão de oxigênio. Depois foi para UTI e lá ficou até domingo, quando morreu.

A Tribuna – Quando vocês receberam a confirmação de que ele tinha Covid-19?
Júlia de Souza – Na última quarta-feira (20) e foi um choque muito grande.

A Tribuna – Vocês acreditavam na recuperação dele?
Júlia de Souza – Com certeza. Os médicos que passavam o boletim de saúde diziam que, aos poucos, ele estava melhorando. Inclusive, estava previsto para tirar a sedação dele na segunda-feira (25). Eu já comemorava a cura, mas ele não resistiu.

A Tribuna – Como era o Jean?
Júlia de Souza – Antes de adoecer com o vírus, era saudável e não tinha qualquer comorbidade. Era um filho abençoado. Morava com a esposa e o enteado em Cariacica. Era diácono da igreja metodista e tocava bateria no grupo de louvor.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados