X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Resolução de Conselho da ONU exige liberação imediata de reféns e expansão de ajuda para Gaza


O Conselho de Segurança das Organizações das Nações Unidas (ONU) aprovou, nesta segunda-feira, 25, uma resolução exigindo um cessar-fogo na Faixa de Gaza durante o mês do Ramadã e a libertação imediata e incondicional dos reféns que são mantidos pelo Hamas desde o ataque a Israel em 7 de outubro de 2023. A resolução, que determina ainda a "necessidade urgente de expandir o fluxo" de ajuda para Gaza, obteve 14 votos a favor, com a abstenção dos Estados Unidos.

O Ramadã, um mês sagrado para os muçulmanos do mundo inteiro, começou no dia 10 de março e se estende até 10 de abril.

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, está em Washington (EUA) nesta segunda-feira para discutir os planos dos EUA sobre como o conflito em Gaza, enquanto as negociações para um cessar-fogo temporário tiveram um impasse depois que os negociadores não conseguiram superar as principais divergências entre Israel e o Hamas, disseram mediadores árabes.

Os principais negociadores do governo de Israel deixaram Doha, no Catar, no fim de semana, em meio a impasse com o Hamas sobre quando os civis deveriam ser autorizados a retornar ao norte de Gaza e a proporção de prisioneiros palestinos a serem libertados em troca de reféns israelenses.

O Hamas pressiona para o regresso imediato dos civis ao norte de Gaza, após muitos terem deixado a região na sequência de pedidos militares israelenses para que evacuassem a área. Israel insiste em um fluxo gradual de civis para o norte, que começaria apenas duas semanas após a assinatura do acordo, segundo autoridades egípcias. Israel também reagiu contra a troca de 30 prisioneiros palestinos condenados por crimes graves por cada mulher soldado israelenses mantida refém pelo Hamas.

O fracasso no alcance de um acordo pode acelerar o cronograma de Israel de lançar uma operação planejada no sul de Gaza, o que provavelmente prejudicará as relações com os EUA. Também poderia diminuir as esperanças de um grande esforço de ajuda humanitária no enclave, onde o quadro de fome e a escassez de suprimentos médicos são generalizados, de acordo com organizações internacionais. *Com informações da Dow Jones Newswires.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: