X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Regime de Maduro prende coordenador de campanha de opositora


O Procurador da Venezuela, Tarek William Saab, confirmou neste sábado, 9, a detenção de Emill Brandt Ulloa, coordenador da campanha da líder opositora María Corina Machado, a quem as autoridades acusam de supostos atos de conspiração e violência.

Após organizações de defesa dos direitos humanos denunciarem a detenção do líder, o procurador se pronunciou no sábado na rede social X, antigo Twitter, afirmando que havia um mandado de prisão para Brandt Ulloa por estar, segundo ele, "evadido da justiça" por não comparecer a uma convocação no Ministério Público.

A prisão ocorreu no estado de Barinas, sudoeste do país, de acordo com o procurador. Saab acrescentou que Brandt Ulloa é acusado pelos supostos crimes de conspiração, violência de gênero e desacato a policiais e militares mulheres, alegadamente cometidos em 15 de janeiro de 2024 em Barinas.

Nessa data, que marcou o Dia do Professor na Venezuela, ocorreu uma manifestação de professores na cidade, após um líder sindical e militante do movimento Vente Venezuela de Machado foi detido, acusado de pretender realizar atos violentos.

Saab vinculou esse incidente a um suposto plano "para executar ações terroristas" em Táchira no início de janeiro. Brandt Ulloa coordenava a campanha de María Corina Machado em Barinas, estado natal do falecido presidente Hugo Chávez e antigo bastião do partido governista, onde aparentemente o apoio diminuiu nos últimos anos.

A líder opositora qualificou a prisão do seu diretor de campanha como um "sequestro" e atribuiu "ao regime de Nicolás Maduro". A prisão teria ocorrido horas após sua turnê presidencial passar pelo estado de Barinas, afirmou Machado, que liderou várias caravanas entre simpatizantes naquela região, entre quinta-feira e sexta-feira.

No Instagram, María Corina pediu "forte apoio aos atores nacionais e internacionais que apoiam uma verdadeira eleição presidencial na Venezuela".

A política lembrou que há mais de um mês outros três diretores de campanha nos estados de Trujillo, Vargas e Yaracuy "estão presos no Helicoide", uma prisão em Caracas denunciada por supostas práticas que violam os direitos humanos, de acordo com organizações não governamentais.

Em fevereiro, outra prisão causou polêmica envolvendo a advogada e ativista de direitos humanos Rocío San Miguel, que também é acusada pela procuradoria de conspiração e tentativa de magnicídio, sobre a qual, segundo seus advogados, não foram apresentadas provas que respaldem a acusação. A detenção da ativista gerou condenação internacional por parte de organizações de defesa dos direitos humanos.

O Foro Penal da Venezuela, uma organização não governamental de apoio jurídico, relata até 4 de março cerca de 264 "presos políticos", dos quais 19 são mulheres e 245 homens. Seu último relatório acrescenta que desde 2014 foram registradas 15.819 detenções políticas no regime venezuelano.

Machado venceu as eleições primárias com mais de 90% de apoio para enfrentar Maduro nas eleições presidenciais, mas pesa sobre ela uma proibição de participação política. Apesar de sua inelegibilidade, a opositora disse que continuará "até o final" das eleições, marcadas para 28 de julho pelo Conselho Nacional Eleitoral.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: