X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Professor francês é decapitado na rua após mostrar charges de Maomé em aula

| 16/10/2020 19:55 h

Imagem ilustrativa da imagem Professor francês é decapitado na rua após mostrar charges de Maomé em aula

Um professor de história e geografia do ensino fundamental foi morto na França por decapitação após ter mostrado charges do profeta Maomé aos estudantes, durante uma aula sobre liberdade de expressão.

O caso ocorreu nesta sexta (16) em Conflans Sainte-Honorine, na periferia de Paris. O professor, cujo nome não foi revelado, foi morto na rua, por volta das 17h (11h em Brasília). Ele foi atacado a 200 metros da escola onde trabalhava. O nome da vítima não foi revelado.

Há relatos de que o assassino teria gritado "Allahu Akbar" (Alá é grande) ao cometer o crime. Após o ataque, a polícia matou o suspeito do ataque a tiros. Ele estava com uma faca, perto do local da ocorrência, tem 18 anos e nasceu em Moscou. O caso é investigado como terrorismo.

Uma série de postagens no Twitter, do dia 9 de outubro, acusou o professor de mostrar charges que faziam piada com o profeta Maomé. O Islamismo considera uma blasfêmia desenhar a sua imagem.

Os posts incluem um vídeo no qual um homem diz que sua filha, muçulmana, estava nessa aula e ficou chocada ao ver as charges.

O governo francês instalou um comitê de crise para tratar do caso, e o presidente Emmanuel Macron visitou o local do ataque.

O ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer, disse que o assassinato foi um ataque à nação francesa. "Nossa união e nossa determinação são as únicas respostas para encarar a monstruosidade do terrorismo islâmico", escreveu em uma rede social.

Nos últimos anos, a França foi alvo de vários ataques violentos realizados por militantes islâmicos. No fim de setembro, um homem usou uma faca para atacar e ferir duas pessoas perto da antiga redação do jornal Charlie Hebdo. O jornal satírico foi alvo de um massacre em 2015, por publicar charges de Maomé: 12 pessoas foram mortas a tiros em seu local de trabalho.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS