X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Principais autoridades americanas e chinesas iniciam negociações sobre IA em Genebra


Os principais enviados dos Estados Unidos e da China se reuniram em conversações a portas fechadas em Genebra, nesta terça-feira, para expor as suas abordagens nacionais relativas às promessas e aos perigos da inteligência artificial. As tratativas, que os líderes Joe Biden e Xi Jinping concordaram em lançar em 2023, visam abrir o diálogo bilateral entre as duas maiores economias do mundo - e cada vez mais, rivais geopolíticos - sobre uma tecnologia em rápida evolução que já tem consequências para o comércio, estilos de vida, cultura, política, segurança e defesa nacional e muito mais.

Especialistas em tecnologia dos EUA dizem que a reunião - liderada pelo lado americano por altos funcionários da Casa Branca e do Departamento de Estado - poderia oferecer um vislumbre do pensamento de Pequim sobre a IA em meio a uma abordagem chinesa geralmente calada à tecnologia.

O cofundador Jason Glassberg da Casaba Security em Redmond, Washington, um especialista em ameaças novas e emergentes representadas pela IA, definiu a reunião como um encontro que provavelmente produzirá poucos resultados concretos, mas fará com que os dois lados conversem . "O que é mais importante agora é que ambos os lados percebam que cada um tem muito a perder se a IA for transformada em arma ou abusada", disse Glassberg. "Todas as partes envolvidas estão igualmente em risco. Neste momento, uma das maiores áreas de risco são os deepfakes, especialmente para utilização em campanhas de desinformação".

A reunião é a primeira no âmbito de um diálogo intergovernamental sobre IA acordado durante uma reunião multifacetada entre Xi e Biden em São Francisco, há seis meses. O governo dos EUA tem procurado estabelecer algumas barreiras em torno da tecnologia, ao mesmo tempo que promove o seu crescimento, procurando um possível benefício para a produção econômica e o emprego.

Especialistas ocidentais sugeriram que o governo da China, entretanto, manteve em parte um controlo sobre as aplicações de IA devido às suas aplicações reais ou potenciais para atividades militares e de vigilância sob o governo do Partido Comunista. As autoridades dos EUA sugeriram que estabeleceriam formas de mitigar possíveis riscos da tecnologia, criando compromissos voluntários com as empresas líderes do setor e exigindo testes de segurança de produtos de IA. Fonte: Associated Press.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: