X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Portugal: Novo governo encara desafio plantado por partido de direita radical


O novo governo minoritário de centro-direita de Portugal assumiu suas funções, dias depois de seu primeiro teste parlamentar expor tanto os riscos quanto as oportunidades que devem enfrentar após o avanço de um partido populista radical nas últimas eleições.

Apenas um dos 17 ministros que foram juramentados na cerimônia no Palácio Nacional Ajuda, em Lisboa - um edifício que data do século XIX- teve experiência governamental. Incluindo o primeiro-ministro Luis Montenegro, que prometeu um gabinete de especialistas não acostumados a vínculos políticos.

Alguns membros do gabinete passaram algum tempo em Bruxelas e conheceram os corredores do poder na União Europeia. Entre eles estava o ministro das Relações Exteriores, Paulo Rangel, e o ministro da Defesa, Nuno Melo, no Parlamento Europeu desde 2009. Portugal, um país de 10,3 milhões de pessoas, está recebendo mais de 22 bilhões de euros (US$ 23,60 bilhões) da União Europeia até o fim de 2026 para estimular o crescimento e fomentar reformas econômicas.

O ministro da Fazenda, Joaquim Miranda Sarmento, professor universitário de Lisboa, provavelmente, terá um papel de destaque, já que a nova administração busca limitar um gasto público excessivo. O ministro propõe que as políticas fiscais estimulem os investimentos.

O novo primeiro-ministro prometeu cumprir suas promessas eleitorais como reduzir os impostos, aumentar os salários e as aposentadorias, além de melhorar os serviços públicos, tornando a economia mais competitiva e o governo mais eficiente.

O governo reduzirá o imposto corporativo de 21% a 15% nos próximos três anos, garantiu Montenegro em seu discurso.

Uma aliança liderada pelo Partido Social-Democrata ganhou as eleições do mês passado por uma estreita margem, obtendo 80 dos 230 postos da Assembleia Nacional, o Parlamento. O Partido Socialista, que durante décadas se alternou no poder com os social democratas, obteve 78 postos.

Mas um novo fator está ampliando a incerteza em torno do futuro do novo governo: o partido populista Chega! elegeu 50 parlamentares, em comparação com apenas 12 em 2022, prometendo acabar com a política tradicional.

Como consequência disso, a eleição para a liderança no Parlamento, na semana passada, trouxe um problema sem precedente, mas também uma solução inédita.

O Chega cumpriu a promessa de acabar com a antiga maneira de fazer as coisas, vetando o candidato indicado pelo novo governo para assumir o Parlamento e garantindo uma derrota embaraçosa para Montenegro, o novo primeiro-ministro e líder do Partido social-democrata.

O líder do Chega, André Ventura, queria que os social-democratas se juntassem ao seu partido para formar uma aliança parlamentar de centro direita e colocar o partido no centro do poder. Mas até agora Montenegro tem se negado a concordar com a proposta.

Em vez disso, Montenegro se distanciou do Chega e alinhavou um acordo com os socialistas, tradicionalmente um rival de seu partido, para que cada agremiação nomeasse um chefe do Parlamento e que cada um servisse por dois anos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: