X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Netanyahu acusa EUA de reter armas e atrasar ofensiva em Gaza


O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, afirmou nesta terça-feira, 18, que os Estados Unidos estão retendo armas e atrasando a ofensiva de Israel na cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, onde os combates agravaram a já difícil situação humanitária para os palestinos.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, adiou a entrega de algumas bombas pesadas desde maio devido a preocupações com a morte de civis por Israel em Gaza.

Netanyahu, em um vídeo curto, falou diretamente para a câmera em inglês enquanto fazia críticas contundentes a Biden por "gargalos" nas transferências de armas.

"É inconcebível que, nos últimos meses, o governo tenha retido armas e munições para Israel", disse Netanyahu, acrescentando: "Nos dê as ferramentas e terminaremos o trabalho muito mais rápido".

O premiê também disse que o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, em uma visita recente a Israel, afirmou que estava trabalhando incansavelmente para acabar com os atrasos. Entretanto, Blinken disse nesta terça-feira que a única pausa estava relacionada às bombas pesadas de maio.

"Nós, como vocês sabem, continuamos revisando um embargo sobre o qual o presidente Biden falou a respeito das bombas de 2 mil libras por conta de nossas preocupações sobre seu uso em uma área densamente povoada como Rafah", disse Blinken durante uma entrevista coletiva do Departamento de Estado. "Isso continua em análise. Mas todo o resto está se movimentano como normalmente aconteceria".

Netanyahu não detalhou quais armas estavam retidas e os militares israelenses se recusaram a responder a um pedido de comentário. Ophir Falk, conselheiro de política externa de Netanyahu, transferiu questões sobre detalhes para o governo dos EUA.

Em resposta à declaração de Netanyahu, a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse: "Não sabemos do que ele está falando. Nós simplesmente não sabemos." Ela acrescentou que os EUA estão tendo "discussões construtivas" com Israel sobre a suspensão do envio de bombas pesadas e que esta é a única transferência atrasada.

Dois importantes democratas no Congresso abriram caminho esta semana para que uma venda de F-15 dos EUA por US$ 15 bilhões para Israel avançasse, após um atraso enquanto um legislador buscava respostas do governo Biden sobre o uso atual de armas dos EUA por Israel na guerra em Gaza.

Com a guerra de Israel contra o Hamas agora no seu nono mês, crescem as críticas internacionais sobre o apoio militar e diplomático dos EUA à campanha de destruição sistemática de Israel em Gaza, com um enorme custo em vidas de civis.

O principal tribunal da ONU concluiu que existe um "risco plausível de genocídio" em Gaza - uma acusação que Israel nega veementemente. Israel atribui as mortes de civis ao Hamas, dizendo que os terroristas operam entre a população.

Reforço de apoio

Tanto Netanyahu como Biden estão equilibrando os seus próprios problemas políticos internos com a situação explosiva no Oriente Médio, e o combativo líder israelense tem-se tornado cada vez mais resistente às ofensivas públicas de charme e aos apelos privados de Biden.

Especialistas dizem que a mensagem de Netanyahu - entregue apenas em inglês - provavelmente tem o objetivo de reforçar o apoio armamentista dos EUA e não parece indicar escassez no terreno.

"Não estou preocupado", disse Itamar Yaar, ex-vice-chefe do Conselho de Segurança Nacional de Israel que lidera um grupo de ex-altos funcionários de segurança. Ele acha que Netanyahu quer "dificultar para a administração Biden atrasar o fornecimento de armas no futuro".

Aviv Bushinsky, ex-conselheiro de Netanyahu, sugeriu que o gabinete do primeiro-ministro está trabalhando para definir a agenda das reuniões do ministro da Defesa, Yoav Gallant, nos EUA, na próxima semana, ao mesmo tempo que permite a Netanyahu - em vez de Gallant - reivindicar o crédito pela libertação do carregamento de bombas. O vídeo também antecipa um discurso que Netanyahu deverá fazer ao Congresso em cerca de uma semana, disse ele.

"É um estilo de diplomacia muito beligerante, mas ele está numa situação em que todos ganham", disse Bushinsky. "Ele não tem nada a perder neste momento - isso o serve em todas as dimensões, internamente, publicamente."

Netanyahu dissolveu o seu gabinete de guerra na segunda-feira, 17, uma medida que consolida a sua influência sobre a guerra e provavelmente diminui as probabilidades de um cessar-fogo em breve. Os críticos o acusam de atrasar o fim da guerra porque isso significaria uma investigação sobre as falhas do governo no ataque de 7 de outubro e aumentaria a probabilidade de novas eleições quando a popularidade do primeiro-ministro for baixa. Netanyahu nega as acusações e diz que está empenhado em destruir as capacidades militares e governamentais do Hamas - não importa quanto tempo isso possa levar.

Meses de conversações de cessar-fogo não conseguiram encontrar um terreno comum entre o Hamas e os líderes israelenses. Tanto Israel como o Hamas têm-se mostrado relutantes em apoiar totalmente um plano apoiado pelos EUA que devolveria os reféns, abriria caminho para o fim da guerra e começaria a reconstruir o território destruído.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: