X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Na Venezuela, opositora de Maduro diz que não conseguiu registrar candidatura


Após o fim do prazo de inscrição para as eleições presidenciais de 28 de julho na Venezuela, a principal coligação de oposição do país denunciou na madrugada de terça-feira, 26, que as autoridades eleitorais não permitiram o registro da candidatura de Corina Yoris, negando-lhe acesso ao sistema de inscrição.

"Informamos a opinião pública nacional e ao mundo que todo o dia estamos trabalhando, reunidos em uma sessão permanente, para tratar de exercer nosso direito constitucional de nomear nosso candidato e não tem sido possível. Não nos permitiram acessar ao sistema de inscrições", disse o secretário-executivo da Plataforma Unitária, Omar Barboza, em um vídeo divulgado pela coligação.

O prazo para inscrição iniciou na quinta-feira, 21, e acabou às 23h59 de segunda-feira, 25. As candidaturas deveriam ser feitas em um site do Conselho Nacional Eleitoral (CNE). A Plataforma Unitária exigiu que o prazo fosse restabelecido, mas o presidente do CNE, Elvis Amoroso, confirmou que as inscrições fechariam à meia-noite, descartando os pedidos de prorrogação.

"NUNCA tivemos acesso ao sistema de aplicações. Desde o mesmo dia, quinta-feira, 21 de março (março), às 6 horas, tentamos sistematicamente acessar ao sistema e não foi possível", publicou a Plataforma Unitária em uma mensagem que acompanha o vídeo na rede social X.

Corina Yoris, filósofa e professora universitária, nomeada por María Corina Machado após sua inabilitação de 15 anos para exercer cargos públicos, foi a candidata escolhida pela Plataforma Unitária para concorrer contra Nicolás Maduro. Machado havia vencido as primárias da aliança partidária no ano passado, mas a indicação de Yoris foi feita na semana passada, após a ratificação do veto à ex-deputada.

"Meus direitos como cidadã venezuelana estão sendo violados ao não me permitir acessar o sistema e registrar minha candidatura", disse Yoris. "Fizemos todas as tentativas para inserir os dados do cartão... e o sistema está completamente fechado para poder inserir digitalmente." Ela acrescentou que houve, inclusive, uma tentativa sem êxito de entregar pessoalmente uma carta ao CNE pedindo prorrogação do prazo.

Mais cedo, Nicolás Maduro formalizou perante o CNE sua candidatura para um terceiro mandato, que o deixaria 18 anos no poder. Yoris nunca trabalhou na administração pública e seu nome aparecia limpo de objeções na base de dados da autoridade eleitoral.

Referindo-se aos seus adversários, e sem mencionar as dificuldades que opositores tiveram em registrar Yoris, Maduro afirmou: "direita golpeada, no dia 28 de julho haverá eleições com você ou sem você".

Um partido que integra a Plataforma Unitária, a UNT, foi autorizado a indicar candidatos, embora tenha se juntado às reclamações da coligação. No entanto, relatos de jornalistas locais sustentam que o partido teria nomeado o ex-candidato presidencial Manuel Rosales, o que ainda não foi confirmado pelo grupo.

Rosales, atual governador do Estado petrolífero de Zulia, no oeste da Venezuela, enfrentou o falecido Hugo Chávez nas eleições presidenciais de 2006.

Desde quinta-feira, foram inscritos 11 candidatos, de acordo com agência Associated Press: Maduro, Luis Eduardo Martínez, Daniel Ceballos, Antonio Ecarri, Juan Carlos Alvarado, Javier Bertucci, José Brito, Claudio Fermín, Luis Ratti, Enrique Márquez e o comediante Benjamín Rausseo. Deles, apenas Maduro e Rausseo aparecem nas diferentes pesquisas de intenção de voto. Os candidatos devem aguardar se sua candidatura ser aceita pela CNE. (Com agências internacionais).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: