X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

'Massacre' em Gaza mostra que governo Netanyahu não tem limite ético ou legal, diz Itamaraty


O Ministério das Relações Exteriores classificou como "massacre" a ação israelense que resultou na morte de ao menos 112 palestinos que buscavam ajuda humanitária na Faixa de Gaza. A nota do Itamaraty também diz que o governo de Benjamin Netanyahu não tem limites éticos ou legais. O texto foi divulgado na manhã desta sexta-feira, dia 1º.

"O governo Netanyahu volta a mostrar, por ações e declarações, que a ação militar em Gaza não tem qualquer limite ético ou legal. E cabe à comunidade internacional dar um basta para, somente assim, evitar novas atrocidades. A cada dia de hesitação, mais inocentes morrerão", afirma a nota.

O Itamaraty diz que "a humanidade está falhando com os civis de Gaza", e afirma que é "hora de evitar novos massacres".

A nota afirma que mais de 30 mil palestinos já foram mortos, sendo 12 mil crianças, e que mais de 1,7 milhão de pessoas foram deslocadas forçadamente. "O Brasil reitera a absoluta urgência de um cessar-fogo e do efetivo ingresso em Gaza de ajuda humanitária em quantidades adequadas, bem como a libertação de todos os reféns", diz o Itamaraty.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: