X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Manifestantes queimam escolas e delegacias em protesto por morte de jovem

Um novo protesto está planejado para a tarde desta quinta-feira


As autoridades francesas prenderam 150 pessoas após segunda noite de protestos em razão da morte de um adolescente de 17 anos baleado por um policial.

Prefeituras, escolas e delegacias de polícia foram incendiadas, disse o Ministro do Interior Gérald Darmanin no Twitter, chamando a noite de "violência intolerável".

O presidente Emmanuel Macron, que havia anteriormente chamado o assassinato de "indesculpável", realizou uma reunião de crise depois que os confrontos se espalharam para além dos subúrbios de Paris e condenou nesta quinta-feira (29), a "violência" contra as "instituições", que ele chamou de "injustificável".

Organizadores de motim enfrentarão justiça, diz Putin

"As últimas horas foram marcadas por cenas de violência contra uma delegacia de polícia, mas também contra escolas, prefeituras e, portanto, contra as instituições e a República (...) São injustificáveis", disse Macron no início de uma reunião da célula de crise interministerial no Palácio do Eliseu.

Imagem ilustrativa da imagem Manifestantes queimam escolas e delegacias em protesto por morte de jovem
Adolescente foi morto na última terça |  Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente expressou sua esperança de que "as próximas horas" sejam de "contemplação" e "respeito".

Um protesto está planejado para a tarde desta quinta-feira, convocado pela mãe do adolescente morto.

Em Nanterre, um subúrbio a 15 km a oeste de Paris, onde o adolescente foi morto na manhã de terça-feira (27), a polícia disparou gás lacrimogêneo para dispersar multidões que incendiaram carros, e no nordeste de Paris, o jornal francês Le Monde relatou um confronto de três horas entre manifestantes e a polícia.

Jovem viaja para celebrar formatura e é encontrado carbonizado em fogueira

Um jardim de infância foi danificado e veículos da polícia foram queimados em Neuilly-sur-Marne, na região metropolitana de Paris Em Toulouse, manifestantes dispararam fogos de artifício contra policiais.

O adolescente, identificado como Naël M pelo advogado de sua família, foi morto por um policial durante uma parada de trânsito.

Policiais inicialmente indicaram que o oficial abriu fogo quando o motorista do veículo tentou atropelar dois membros da polícia motorizada na terça-feira.

No entanto, vídeos do tiroteio verificados pela Reuters, mostram um policial apontando uma arma para o motorista de um carro Mercedes AMG amarelo parado.

O policial puxa o gatilho quando o carro começa a arrancar, e o carro bate no acostamento de uma estrada.

A família do adolescente apresentará uma queixa por homicídio intencional contra o policial, disse o advogado da família em um comunicado.

O agente responsável pelo disparo, de 38 anos, encontra-se em prisão preventiva no âmbito de uma investigação por homicídio voluntário cometido por funcionário público, informou o Ministério Público.

Os tiroteios com a polícia não são comuns na França, mas os ativistas acusam a força policial do país de ações discriminatórias e de perfil racial, que, segundo eles, ficam impunes.

Em 2016, a ação policial que levou à morte de Adama Traoré, de 24 anos, um trabalhador negro da construção civil, chamou a atenção do país para os casos de brutalidade policial e racismo, provocando protestos. (Com agências internacionais).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: