X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Maduro envia documentação sobre a disputa de Essequibo ao Tribunal de Haia


Uma delegação da Venezuela entregou na segunda-feira, 8, dezenas de caixas ao Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, com documentos sobre a disputa entre o país e a Guiana pelo território de Essequibo. Entre os papéis, estão títulos históricos que, segundo o governo do ditador Nicolás Maduro, respaldam a soberania da Venezuela sobre o território rico em petróleo.

Segundo Maduro, a região estava sob jurisdição venezuelana no momento da independência de Espanha. De acordo com a Venezuela, Essequibo foi roubado quando a fronteira com a Guiana foi traçada no final do século XIX. Essequibo equivale a dois terços do território da Guiana.

Apesar da entrega dos documentos, Maduro disse que a Venezuela segue sem reconhecer o TPI como foro para a resolução da controvérsia.

Na semana passada, o ditador venezuelano sancionou uma lei que cria o Estado de Essequibo, o que aumentou as tensões na região.

Em resposta, o governo da Guiana afirmou que não vai permitir a anexação do território pela Venezuela.

Em comunicado, o governo de Mohamed Irfaan Ali informou que Maduro ignora os "princípios mais fundamentais do direito internacional" e contradiz o acordo bilateral de tratar o assunto sem "provocações" e "interferência de terceiros". Fonte: Associated Press.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: