X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Lula critica Israel e acusa países ricos de covardia com palestinos

Presidente criticou países por terem cortado o financiamento da agência da ONU para os refugiados palestinos



Imagem ilustrativa da imagem Lula critica Israel e acusa países ricos de covardia com palestinos
Lula discursou e falou sobre conflito no Oriente Médio |  Foto: Ricardo Stuckert/PR

Em seu primeiro dia de compromissos oficiais no Egito, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou Israel nesta quinta-feira, 15, e acusou os países ricos, entre eles os EUA, de "desumanidade" e "covardia" por terem cortado o financiamento da agência da ONU para os refugiados palestinos (UNRWA, na sigla em inglês). Segundo o governo israelense, o órgão estaria colaborando com o Hamas.

"No momento em que o povo palestino mais precisa de apoio, os países ricos decidem cortar a ajuda humanitária à agência da ONU para os refugiados palestinos. É preciso pôr fim a essa desumanidade e covardia. Basta de punição coletiva", afirmou o brasileiro.

Lula prometeu que o Brasil fará um "novo aporte" para a agência da ONU. "Exortamos todos os países a manterem e reforçarem suas contribuições", disse o brasileiro, após sessão do Conselho da Liga Árabe.

Ele lembrou que o Brasil condenou os ataques do Hamas a Israel - na época, Lula só chamou o Hamas de "terrorista" após pressão interna, 13 dias depois do atentado. "Condenamos e chamamos o ato de terrorista. Mas não tem nenhuma explicação o comportamento de Israel, a pretexto de derrotar o Hamas, estar matando mulheres e crianças", afirmou Lula, que também defendeu o cessar-fogo e a libertação dos reféns - entre eles o brasileiro Michel Nisenbaum, cujo paradeiro é desconhecido.

Guerra

O presidente brasileiro afirmou também que a iminente incursão terrestre de Israel em Rafah, cidade ao sul da Faixa de Gaza, para onde fugiram 1,4 milhão de palestinos, prenuncia uma "calamidade" e contraria ordem da Corte Internacional de Justiça (CIJ) para que o país evite atos de genocídio nos combates.

A guerra entre Israel e Hamas começou após os ataques terroristas do dia 7 de outubro, quando terroristas palestinos mataram 1,2 mil civis em território israelense e sequestraram cerca de 240 pessoas. O governo de Israel acusou 12 funcionários da UNRWA de participação nos ataques. A ONU demitiu os envolvidos e abriu uma investigação sobre o caso.

O conflito incendiou o Oriente Médio, com troca de disparos entre Israel e o Hezbollah, na fronteira do Líbano, disparos de foguetes da milícia houthi, do Iêmen, em solidariedade aos palestinos, contra navios no Mar Vermelho, e ataques de facções pró-Irã contra tropas americanas no Iraque e na Jordânia.

Ontem, o Hezbollah prometeu retaliar os ataques israelenses no sul do Líbano, na quarta-feira, que mataram 3 combatentes e 10 civis, incluindo 4 crianças. Ali Mohamed al-Debes, um dos líderes da milícia, estaria entre os mortos. Israel diz ter bombardeado a cidade de Nabatiyeh depois que o Hezbollah disparou foguetes contra a base de Safed, matando uma soldado israelense.

Palestina

Ontem, ao lado de Lula, o presidente do Egito, Abdel Fatah al-Sisi, defendeu mais uma vez a criação de um Estado palestino que tenha Jerusalém como capital. O egípcio ressaltou que ele e Lula concordam em diversos temas quando se trata da guerra.

"Concordamos sobre a importância de um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza, da libertação dos reféns e do acesso humanitário com o maior número de recursos possível para salvar os civis e chegar à fase do pós-guerra, tendo Jerusalém como capital de um Estado palestino" afirmou o presidente egípcio.

Desde o fim do ano, Sisi tem defendido que a solução para o conflito passa pela criação de um Estado palestino, com as fronteiras de 1967 e Jerusalém como capital. "Estamos prontos para que este Estado seja desmilitarizado e para que haja garantias da presença de forças militares, seja da Otan, da ONU, árabes ou americanas, para que possamos alcançar a segurança de Israel e da Palestina." (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: