X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Justiça do Haiti indicia viúva de presidente assassinado e ex-primeiro-ministro


Um juiz que investiga o assassinato do presidente do Haiti Jovenel Moïse em julho de 2021, emitiu um relatório final nesta segunda-feira, 19, que incrimina sua viúva, Martine Moïse, o ex-primeiro-ministro Claude Joseph e o ex-chefe da Polícia Nacional do Haiti, Léon Charles, entre outros.

Charles, que agora serve como representante permanente do Haiti na Organização dos Estados Americanos (OEA), enfrenta as acusações mais graves: assassinato; tentativa de assassinato; posse e porte ilegal de armas; conspiração contra a segurança interna do Estado; e associação de criminosos.

Enquanto isso, Martine Moïse e Joseph são acusados de cumplicidade e associação criminosa.

Charles não pôde ser contatado imediatamente para comentar. Enquanto isso, nem Joseph nem o porta-voz do advogado de Martine Moïse responderam às mensagens para comentários.

A divulgação das conclusões do juiz ocorre em meio a um período de ampla desestabilização política no Haiti, um país que já luta contra um aumento da violência de gangues e se recupera de uma série de recentes protestos violentos de cidadãos que exigiram a renúncia do primeiro-ministro Ariel Henry.

Um total de quase 50 suspeitos foram indiciados no relatório de 122 páginas divulgado na segunda-feira.

Outros 11 suspeitos foram extraditados para os Estados Unidos e acusados no assassinato, com três deles já condenados.

Os promotores dos EUA descreveram o caso como um plano tramado tanto no Haiti quanto na Flórida para contratar mercenários para sequestrar ou matar Moïse, que tinha 53 anos quando foi assassinado em sua casa particular perto da capital haitiana, Porto Príncipe, em 7 de julho de 2021.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: