X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Geraldo Alckmin esclarece posição de Lula sobre conflito Israel-Palestina

Segundo vice-presidente, Lula sempre deixou que condenou o ato praticado pelo grupo radical


Imagem ilustrativa da imagem Geraldo Alckmin esclarece posição de Lula sobre conflito Israel-Palestina
Vice-presidente pontuou que o Brasil não tem litígio com outros países e é um promotor a paz |  Foto: Divulgação

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, disse nesta segunda-feira, 19, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre se posicionou em defesa da paz e contra os ataques do grupo Hamas a Israel.

O comentário foi feito na saída de Alckmin da reunião de conselhos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), onde foi questionado por jornalistas sobre as declarações de Lula, que, no domingo, 18, comparou a reação de Israel em Gaza ao Holocausto.

O presidente Lula deixou claro duas coisas: a primeira, que o ato do Hamas foi um ato terrorista; segundo, que ele defende a paz, que quer a paz, que haja um cessar-fogo Geraldo Alckmin, Vice-presidente do Brasil

O vice-presidente enfatizou que Lula, em vários pronunciamentos, manifestou essa posição. Ele evitou, no entanto, comentar a declaração do governo de Israel de que Lula é persona non grata no país.

Pontuou que o Brasil não tem litígio com outros países e é um promotor a paz. Alckmin lembrou ainda do papel da Organização das Nações Unidas (ONU) e organismos multilaterais em acelerar um pacto de paz para poupar vidas no Oriente Médio.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: