X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Ex-presidente do Afeganistão fugiu do país levando R$ 900 milhões em dinheiro

| 18/08/2021 12:49 h | Atualizado em 18/08/2021, 13:12

Captura de tela de Ashraf Ghani, durante um discurso na TV afegã, em 14 de agosto
Captura de tela de Ashraf Ghani, durante um discurso na TV afegã, em 14 de agosto |  Foto: Reprodução/TV Afegã

O presidente deposto do Afeganistão, Ashraf Ghani, de 72 anos, fugiu do país com US$ 169 milhões em dinheiro, o que corresponde a R$ 900 milhões, em seu helicóptero. As informações são do jornal "Metro" e, ainda segundo a publicação, o ex-presidente seguiu para o Tadjiquistão, país vizinho e ex-república soviética situada ao norte.

Em uma publicação no seu Facebook, Ashraf afirmou que deixou o país, na noite do último domingo (15), porque "queria evitar derramamento de sangue", enquanto as forças do Taleban se aproximavam de Cabul, capital do Afeganistão.

Agora, de acordo com a Folhapress, o ex-presidente está em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde recebeu asilo por motivos humanitários. A informação foi confirmada pelo Ministério das Relações Exteriores e Cooperação Internacional dos Emirados Árabes Unidos. Segundo a pasta, a família de Ghani também se encontra no país.

Leia também:

Taleban toma Cabul e volta ao poder no Afeganistão após 20 anos

Avião militar para 100 passageiros decolou do Afeganistão com mais de 600 a bordo 

O Taleban chegou, sem resistência, a Cabul no último domingo (15), em meio a um avanço para a retomada do poder afegão. O grupo governou o Afeganistão entre 1996 e 2001, quando transformou o país em uma teocracia islâmica. No mesmo dia em que o grupo chegou a Cabul, Ashraf Ghani deixou o Afeganistão.

Antes de os Emirados Árabes Unidos confirmarem ter recebido o ex-presidente, a agência de notícias Reuters havia dito que ele havia se refugiado no Tajiquistão, o que foi negado pelo país.

A saída de Ghani possibilitou ao Talibã a oportunidade de, com ainda mais facilidade, ocupar a sede do Palácio Presidencial. Segundo um correspondente local da emissora catari Al Jazeera, havia pelo menos três funcionários do governo durante a "entrega" do palácio.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS