X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Enquanto Israel avança sobre Rafah, Hamas se reagrupa em outros lugares da Gaza sem governo


As forças israelenses estavam lutando contra os militantes palestinos em toda a Faixa de Gaza neste domingo, 12, inclusive em partes do norte devastado que os militares disseram ter liberado meses atrás, onde o Hamas explorou um vácuo de segurança para se reagrupar.

Israel retratou a cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, como o último reduto do Hamas, afirmando que precisa invadi-la para atingir seus objetivos de desmantelar o grupo e devolver dezenas de reféns. Uma operação limitada se expandiu nos últimos dias, forçando a fuga de cerca de 300 mil pessoas.

Mas o restante do território devastado pela guerra parece oferecer amplas oportunidades para o Hamas. Israel ainda não ofereceu um plano detalhado para a governança pós-guerra em Gaza, afirmando apenas que manterá o controle de segurança por tempo indeterminado sobre o enclave costeiro, que abriga cerca de 2,3 milhões de palestinos.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu rejeitou os planos pós-guerra propostos pelos Estados Unidos para que a Autoridade Palestina, que administra partes da Cisjordânia ocupada por Israel, governe Gaza com o apoio de países árabes e muçulmanos. Esses planos dependem do progresso em direção à criação de um Estado palestino, algo ao qual o governo de Netanyahu se opõe profundamente.

Com os dois aliados próximos divididos, Gaza ficou sem um governo em funcionamento, o que levou a um colapso da ordem pública e permitiu que o Hamas se reconstituísse até mesmo nas áreas mais atingidas.

Os palestinos relataram um pesado bombardeio israelense durante a noite no campo de refugiados urbano de Jabaliya e em outras áreas no norte da Faixa de Gaza, que sofreu uma devastação generalizada e foi amplamente isolada pelas forças israelenses durante meses. Autoridades da ONU afirmam que há uma "fome generalizada" no local.

Os moradores disseram que aviões de guerra e artilharia israelenses atingiram o campo e a área de Zeitoun, a leste da Cidade de Gaza, onde as tropas estão lutando contra militantes palestinos há mais de uma semana. Eles pediram a dezenas de milhares de pessoas que se mudassem para áreas próximas.

"Foi uma noite muito difícil", disse Abdel-Kareem Radwan, um palestino de 48 anos de Jabaliya. Ele afirmou que eles podiam ouvir bombardeios intensos e constantes desde o meio-dia de sábado. "Isso é uma loucura."

Os socorristas da Defesa Civil Palestina disseram que não conseguiram atender aos vários pedidos de ajuda de ambas as áreas, bem como de Rafah, no extremo sul de Gaza. As tropas israelenses têm lutado contra os militantes desde que o exército tomou a passagem de fronteira próxima com o Egito na semana passada.

O Contra-Almirante Daniel Hagari, o principal porta-voz militar israelense, disse que as tropas estão lutando em todas as partes de Gaza, "em áreas onde ainda não operamos e em lugares onde já operamos".

Ele disse que, além de Jabaliya e Zeitoun, as forças também estavam operando em Beit Lahiya e Beit Hanoun, cidades próximas à fronteira norte de Gaza com Israel que foram fortemente bombardeadas nos primeiros dias da guerra.

Os militares "agora estão entrando em Jabaliya pela segunda vez e em Zeitoun pela terceira vez, e continuarão entrando e saindo", escreveu o colunista Ben Caspit no jornal israelense Maariv, canalizando a crescente frustração sentida por muitos israelenses após mais de sete meses de guerra.

Rafah abrigava cerca de 1,3 milhão de palestinos antes do início da operação israelense, a maioria dos quais havia fugido dos combates em outras partes do território.

Israel já evacuou o terço oriental de Rafah, e Hagari disse que dezenas de militantes foram mortos lá, pois "as operações direcionadas continuaram". As Nações Unidas alertaram que uma invasão planejada em grande escala de Rafah prejudicaria ainda mais as operações humanitárias e causaria um aumento no número de mortes de civis.

Rafah faz fronteira com o Egito perto dos principais pontos de entrada de ajuda, que já estão afetados. As tropas israelenses capturaram o lado de Gaza da passagem de Rafah, forçando-a a fechar. O Egito se recusou a coordenar com Israel a entrega de ajuda através da passagem por causa da "inaceitável escalada israelense", informou o canal de televisão estatal Al Qahera News, citando uma autoridade não identificada.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que não fornecerá armas ofensivas a Israel para Rafah. Na sexta-feira 10, seu governo disse que havia evidências "razoáveis" de que Israel havia violado a lei internacional que protege os civis - a declaração mais forte de Washington até agora sobre o assunto.

Israel rejeita essas alegações, dizendo que tenta evitar ferir civis. Ele culpa o Hamas pelo alto número de vítimas porque os terroristas lutam em áreas residenciais densas.

A guerra começou quando o Hamas e outros terroristas atacaram o sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1,2 mil pessoas, a maioria civis, e fazendo mais 250 reféns. Eles ainda mantêm em cativeiro cerca de 100 pessoas e os restos mortais de mais de 30.

A ofensiva aérea, terrestre e marítima de Israel já matou mais de 34,8 mil palestinos, a maioria mulheres e crianças, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, que não faz distinção entre civis e combatentes em seus números. Israel afirma ter matado mais de 13 mil militantes, sem fornecer provas.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: