X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Em encontro com rival de Netanyahu, vice dos EUA pede ao Hamas que aceite plano de cessar-fogo


A vice-presidente de Estados Unidos, Kamala Harris, expressou sua "profunda preocupação" pela crise humanitária em Gaza e instou o grupo terrorista Hamas a aceitar as condições de cessar-fogo, durante uma reunião com Benny Gantz, membro do gabinete de guerra israelense e rival de Binyamin Netanyahu. Harris encontrou-se com o político israelense nesta segunda-feira, 4, em Washington.

Na reunião, " instou Israel a tomar medidas" para aumentar a entrada de ajuda no território ameaçado pela fome, disse uma nota divulgada pela Casa Branca. Também saudou "o enfoque construtivo" das autoridades israelenses nas negociações em curso para a libertação dos reféns retidos em Gaza, que deveria se traduzir em uma suspensão temporária das hostilidades com o grupo terrorista Hamas.

A democrata "pediu ao Hamas que aceite as condições que estão sobre a mesa para a libertação dos reféns, o que daria lugar a um cessar-fogo imediato de seis semanas e permitiria um aumento da ajuda humanitária".

A visita a Washington de Gantz, ex-ministro da Defesa, membro do gabinete de guerra e também rival político de Netanyahu, está causando repercussão em Israel. Embora Gantz tenha muitas das mesmas opiniões linha-dura de Netanyahu, o político centrista tem sido visto como mais aberto a compromissos em questões críticas, incluindo o aumento da prestação de assistência humanitária.

Autoridades da Casa Branca disseram que Gantz foi quem solicitou a reunião, e que a administração de Biden acreditava que era importante que Harris se reunisse com o funcionário israelense, apesar das objeções de Netanyahu.

"Estamos tratando com todos os membros do gabinete de guerra, incluído o ministro Gantz", e sua chegada "é uma extensão natural dessas discussões", afirmou John Kirby, porta-voz da Casa Branca.

"Um membro do gabinete de guerra quer vir aos Estados Unidos, quer falar conosco sobre a evolução do conflito, nos dá a oportunidade de discutir a importância de aumentar a ajuda humanitária e chegar a um acordo sobre os reféns. Não vamos nos privar desta oportunidade", afirmou Kirby. (Com agências internacionais).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: