X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Eleições EUA: Republicanos mudam plataforma partidária para refletir posição de Trump


O Comitê Nacional Republicano decidiu nesta segunda-feira, 8, adotar uma plataforma partidária que reflete a posição do ex-presidente Donald Trump, opondo-se à proibição federal do aborto e cedendo a decisão aos Estados, omitindo a defesa explícita para uma proibição nacional pela primeira vez em 40 anos.

Trump impôs as suas prioridades enquanto busca evitar uma mensagem clara sobre o aborto, ao mesmo tempo que assume o crédito pela reversão do caso Roe V. Wade pela Suprema Corte. Trump nomeou três dos seis juízes que votaram por maioria para derrubar o precedente de 1973 que estabeleceu o direito nacional ao aborto.

A plataforma reduzida - apenas 16 páginas e com detalhes limitados sobre muitas questões republicanas importantes - reflete o desejo da campanha de Trump de evitar dar aos democratas mais material para os seus alertas sobre as intenções do ex-presidente se ele reconquistar a Casa Branca. A campanha do presidente Joe Biden destacou repetidamente o documento "Project 2025" produzido pelos aliados de Trump, bem como as próprias promessas de Trump de impor tarifas abrangentes, substituir milhares de funcionários públicos por partidários leais e organizar a maior operação de deportação da história dos EUA.

O documento político segue o princípio de longa data do partido de que a Constituição estende os direitos aos fetos, mas remove a linguagem que mantém o apoio a uma "emenda à Constituição e à legislação para deixar claro que as proteções da Décima Quarta Emenda se aplicam às crianças antes do nascimento", uma passagem no plataforma partidária incluída pela primeira vez em 1984.

Afirma: "Acreditamos que a 14ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos garante que a nenhuma pessoa pode ser negada a vida ou a liberdade sem o devido processo". O documento também observou "que os Estados são, portanto, livres para aprovar leis que protejam esses direitos".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: