X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Eleição no Irã é marcada por apatia e discussões sobre relação com Ocidente e programa nuclear


Os iranianos foram às urnas nesta sexta-feira, 28, em uma eleição relâmpago para substituir o presidente Ebrahim Raisi, que morreu em um acidente de helicóptero, com a eleição dominada pelo debate sobre o programa nuclear iraniano, a relação com o Ocidente e uma profunda apatia do eleitorado.

A votação ocorreu em meio às tensões mais amplas tomaram conta do Oriente Médio por causa da guerra Israel-Hamas na Faixa de Gaza. Em abril, o Irã lançou seu primeiro ataque direto a Israel por causa da guerra em Gaza, enquanto milícias que Teerã apoia e para as quais fornece armas na região - como o Hezbollah libanês e os rebeldes Houthi do Iêmen - estão envolvidos na luta e intensificaram seus ataques.

Enquanto isso, o Irã continua a enriquecer urânio em níveis quase suficientes para produção de armas, e mantém um estoque grande o suficiente para construir - caso escolha fazer isso - várias armas nucleares.

O único candidato reformista da corrida prometeu nos últimos dias buscar "relações amigáveis com o Ocidente" em um esforço para energizar apoiadores. Os eleitores enfrentam uma escolha entre candidatos linha-dura e o pouco conhecido reformista Masoud Pezeshkian, um cirurgião cardíaco. Como tem sido o caso desde a Revolução Islâmica de 1979, mulheres e aqueles que pedem mudanças radicais foram impedidos de concorrer, e a votação não terá supervisão de monitores internacionalmente reconhecidos.

"Se Deus quiser, tentaremos ter relações amigáveis com todos os países exceto Israel," disse o candidato de 69 anos ao responder a uma pergunta sobre uma nova repressão às mulheres sobre o uso obrigatório do lenço na cabeça, ou hijab, menos de dois anos após a morte de Mahsa Amini em 2022, que desencadeou manifestações nacionais e uma resposta violenta das forças de segurança. "Nenhum comportamento desumano ou invasivo deve ser realizado contra nossas meninas, filhas e mães," ele disse.

Os comentários de Pezeshkian vieram depois que ele e seus aliados foram alvo de um aviso velado do líder supremo do país, o Aiatolá Ali Khamenei, sobre sua abordagem sobre os Estados Unidos. Os comentários de Pezeshkian, feitos após ele votar, eram uma tentativa de aumentar o comparecimento nas urnas, já que a apatia pública se tornou generalizada na República Islâmica após anos de problemas econômicos e protestos em massa sem efeito.

Ele parecia esperar que invocar a possibilidade de o Irã sair de seu isolamento motivasse pessoas de outra forma desiludidas com a política iraniana. Um comparecimento maior geralmente ajuda os que, como Pezeshkian, fazem parte do movimento reformista que busca mudar a teocracia xiita de dentro para fora.

Embora Khamenei, de 85 anos, tenha a última palavra em todos os assuntos de Estado, os presidentes podem inclinar as políticas do país em direção à confrontação ou negociação com o Ocidente. No entanto, dado o comparecimento recorde de baixo nas eleições recentes, permanece incerto quantos iranianos participarão da votação de sexta-feira.

Um maior comparecimento poderia aumentar as chances de Pezeshkian, e o candidato pode ter contado com as redes sociais para disseminar suas declarações, já que todos os canais de televisão no país são controlados pelo Estado e administrados por linha-duras.

Houve chamados para um boicote, incluindo da laureada com o Prêmio Nobel da Paz presa, Narges Mohammadi. Hossein Mousavi, um dos líderes dos protestos do Movimento Verde de 2009 que permanece em prisão domiciliar, também se recusou a votar com sua esposa, disse sua filha.

Também houve críticas de que Pezeshkian representa apenas mais um candidato aprovado pelo governo. Uma mulher em um documentário sobre Pezeshkian exibido pela TV estatal disse que sua geração estava "caminhando para o mesmo nível" de animosidade com o governo que a geração de Pezeshkian tinha na revolução de 1979.

A corrida presidencial iraniana está sendo disputada por Pezeshkian contra dois linha-duras, o ex-negociador nuclear Saeed Jalili e o presidente do parlamento, Mohammad Bagher Qalibaf, e também um clérigo xiita, Mostafa Pourmohammadi, que permaneceu na corrida apesar de pesquisas desfavoráveis.

Pezeshkian alinhou-se a figuras como o ex-presidente Hassan Rouhani, que fechou o acordo nuclear histórico de 2015 com potências mundiais.

As múltiplas crises do Irã

Mais de 61 milhões de iranianos com mais de 18 anos estão aptos a votar, com cerca de 18 milhões deles entre 18 a 30 anos. A lei iraniana exige que um vencedor obtenha mais de 50% de todos os votos. Caso isso não aconteça, os dois candidatos com maior número de votos avançarão para um segundo turno uma semana depois. Houve apenas uma eleição presidencial com segundo turno na história do Irã, em 2005, quando o linha-dura Mahmoud Ahmadinejad venceu o ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani.

Para os clérigos governantes do Irã, a participação pública nas eleições é importante para manter a legitimidade do regime. A eleição ocorreu enquanto o Irã lida com múltiplas crises, incluindo uma economia debilitada e tensões com Israel.

Uma eleição tranquila e previsível com alta participação eleitoral é importante tanto para a estabilidade do regime quanto para sua legitimidade. A televisão estatal na sexta-feira transmitiu imagens de longas filas fora das seções eleitorais.

Khamenei foi mostrado depositando seu voto em Teerã. "Alguns estão indecisos", disse ele sobre os eleitores elegíveis, aparentemente abordando relatos de que alguns iranianos planejam se abster do voto. "Não há justificativa para estar indeciso", acrescentou. "A continuidade da República Islâmica depende da participação e comparecimento do povo".

No início desta semana, Khamenei pediu um comparecimento eleitoral "máximo", dizendo que as eleições "ajudam a República Islâmica a superar seus inimigos". Ele também alertou o público contra o apoio a candidatos que "pensam que todos os caminhos para o progresso passam pela América", uma referência velada a Pezeshkian.

Desde que foi estabelecido, o governo islâmico do Irã enfatizou as eleições para sustentar sua autoridade, mesmo que mantivesse um sistema amplamente teocrático que concede poder político e religioso ao clero xiita.

"É uma contradição que está no coração do sistema desde sua fundação", disse Naysan Rafati, analista do Irã no International Crisis Group, e que "tornou-se cada vez mais evidente nos últimos anos".

O Irã já se orgulhou de alta participação eleitoral, que alcançou 70% quando o Presidente Hassan Rouhani foi reeleito em 2017, segundo a mídia estatal. Mas desde então, os números despencaram, com cerca de 40% dos eleitores elegíveis participando nas eleições parlamentares deste ano - um recorde histórico de baixa para a República Islâmica.

Nesse período, o Irã enfrentou turbulências políticas, sociais e econômicas, incluindo o desmantelamento de seu acordo nuclear com as potências mundiais e o retorno das sanções comerciais dos EUA que prejudicaram a economia. Seu general mais proeminente, Qasem Soleimani, foi morto em um ataque aéreo dos EUA perto do aeroporto de Bagdá, aumentando os medos de uma guerra mais ampla. E, internamente, três ondas de protestos em massa - sobre aumentos de preços, medidas de austeridade e os rígidos códigos morais do país - foram recebidos com repressões mortais pelas forças de segurança iranianas.

"Eu acho que as pessoas que vão votar estão ou conectadas ao sistema, o que significa que estão felizes com como as coisas estão, ou são muito ingênuas", disse uma proprietária de padaria de 38 anos em Teerã antes da votação.

Ela falou sob condição de anonimato por medo de represália das autoridades, dizendo que a última vez que votou foi em 2009. Naquele ano, oficiais anunciaram que o candidato linha-dura Mahmoud Ahmadinejad havia ganhado a presidência por uma grande margem, provocando grandes protestos nas ruas liderados pelos reformistas do Irã. As autoridades reprimiram severamente os líderes dos protestos, enviando-os para a prisão ou para o exílio. A proprietária da padaria disse que perdeu a esperança na capacidade de influenciar mudanças.

"Para ser honesta com você, eu não confio em nenhum deles", ela disse sobre a classe política do Irã. "Acho que é bobo ter esperança."

Outros seguiram um trajeto semelhante, incluindo Arash, um trabalhador da construção de 38 anos em Teerã. Ele disse que ficou desiludido com a resposta do governo aos protestos mais recentes em 2022, quando a inquietação em todo o país irrompeu após a morte sob custódia policial da jovem Mahsa Amini de 22 anos.

Arash, que falou sob condição de ser identificado apenas pelo seu primeiro nome por preocupação com sua segurança, disse que foi preso por participar das demonstrações. E o humor entre seus amigos esta semana foi de "extrema raiva".

"Há essa visão apocalíptica de que deveríamos votar no candidato mais linha-dura e talvez isso piorasse a situação", mobilizando pessoas para derrubar o governo, ele disse.

Arash não concorda necessariamente que essa é a melhor estratégia e disse no início desta semana que ainda poderia votar, mas não porque ele pensa que algo vai melhorar. Em vez disso, ele acredita que uma participação eleitoral mais ampla tornará mais difícil para o governo falsificar os resultados.

Segundo Rafati, as autoridades não tomaram nenhuma medida para abordar as preocupações subjacentes que estão afastando as pessoas das urnas.

"Eles gostariam de ter o melhor dos dois mundos. Eles gostariam de poder apontar para uma alta participação e poder reivindicar legitimidade popular", disse ele. "Enquanto ao mesmo tempo restringem os candidatos permitidos a poucos escolhidos a dedo que, mesmo pelos próprios padrões exclusórios do sistema, tornou-se muito, muito restrito."

Se nenhum candidato alcançar 50%, uma segunda rodada entre os dois concorrentes com mais votos será realizada na próxima semana. Mas uma eleição de segundo turno poderia significar mais incerteza, um resultado que o líder supremo provavelmente quer evitar, disse Suzanne Maloney, vice-presidente e diretora de política externa na Instituição Brookings, onde sua pesquisa se concentra no Irã.

"Uma segunda rodada poderia impulsionar a mobilização dos iranianos interessados em reforma ou mesmo em resultados mais ambiciosos de uma maneira que poderia ser ameaçadora ao controle absoluto do sistema", ela disse. Muitas das "restrições" que o Irã introduziu ao processo eleitoral - como a rigorosa avaliação de candidatos - visam minimizar a imprevisibilidade que a votação traz para o espaço político, disse Maloney. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: