X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Defeito em avião deixa primeiro-ministro da Nova Zelândia 'preso' em Papua-Nova Guiné


O avião que transportava o primeiro-ministro da Nova Zelândia, Christopher Luxon, ao Japão quebrou no último domingo, 16, em Papua-Nova Guiné. O premiê precisou ser realocado para um voo comercial de última hora. As informações são do The Guardian.

Luxon estava em uma delegação, com o ministro do Comércio, Todd McClay, e dezenas de líderes empresariais e jornalistas, viajando de Papua-Nova Guiné para Tóquio como parte da missão do governo neozelandês para aumentar o comércio. O grupo, no entanto, ficou preso no território papuásio porque foram descobertos fusíveis queimados no Boeing 757 da Força de Defesa da Nova Zelândia (NZDF, sigla em inglês).

O imprevisto foi contornado porque o primeiro-ministro conseguiu para ele e outros três membros da delegação um voo comercial de última hora via Hong Kong com destino a Tóquio, no Japão. Outras 50 pessoas tiveram que fazer uma estadia não programada durante a noite em Port Moresby.

O diretor-executivo da Air New Zealand, Greg Foran, um dos que não conseguiram sair de Papua-Nova Guiné, solicitou que uma das linhas da companhia aérea neozelandesa fizesse uma escalada na capital papuásia para buscar o restante da delegação.

Incidente "embaraçoso"

Durante uma entrevista, a ministra da Defesa, Judith Collins, concordou que o incidente foi "embaraçoso" e que pode se revelar caro, com o governo arcando com a conta dos reparos, da escala e, provavelmente, do voo adicional.

Esse foi o segundo problema com aviões da Força de Defesa do país. Em março, Luxon precisou de um voo comercial de última para participar de uma cúpula da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean, sigla em inglês), em Melbourne, na Austrália

Nos últimos anos, as aeronaves do órgão também falharam e atrasaram as viagens dos ex-primeiros-ministros Jacinda Ardern a Washington, nos Estados Unidos, e Melbourne e John Key, com uma delegação de 80 pessoas, à Índia.

A Nova Zelândia está debatendo se é possível substituir os aviões usados principalmente para negócios de defesa e em missões comerciais pelo primeiro-ministro. As substituições estão programadas para 2028, porém uma revisão da capacidade do órgão, que será feita neste mês, pode adiantar essa data.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: