X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Cúpula do G7 é aberta com acordo para usar ativos russos na Ucrânia


Uma cúpula do G7 começou nesta quinta-feira (13) com um acordo alcançado sobre uma proposta dos EUA para apoiar um empréstimo de US$ 50 bilhões à Ucrânia usando ativos russos congelados como garantia, dando a Kiev uma forte demonstração de apoio, mesmo quando o tabuleiro de xadrez político da Europa se desloca para a direita. A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, deu as boas-vindas aos chefes de estado do G7 num resort de luxo no sul de Itália, dizendo que queria que a mensagem desta reunião fosse de diálogo com o sul global e de unidade.

Uma autoridade francesa, informando os repórteres na quarta-feira, 12, disse que uma decisão política dos líderes foi alcançada, mas que os detalhes técnicos e legais do mecanismo para explorar os ativos ainda precisam ser elaborados. A questão é complicada porque se um dia os ativos russos forem descongelados - digamos, se a guerra terminar - então os lucros inesperados já não poderão ser usados para pagar o empréstimo, exigindo um acordo de partilha de encargos com outros países.

Além do acordo, o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, anunciou até 242 milhões de libras em ajuda não militar à Ucrânia para necessidades humanitárias, energéticas e de estabilização. Washington também enviou fortes sinais de apoio, com sanções ampliadas contra a Rússia para atingir empresas chinesas que estão ajudando a sua máquina de guerra.

O G7 inclui Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos. Outros convidados incluem o presidente ucraniano Volodimir Zelenski, o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, recém-eleito, e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan. Fonte: Dow Jones Newswires.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: