X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Correção: Na Argentina, Senado dividido ameaça aprovação de reforma econômica de Milei


A matéria enviada anteriormente estava com o título truncado. Segue o texto com o título corrigido.

O governo do presidente da Argentina, Javier Milei, completa seis meses hoje envolto em incertezas sobre a aprovação de uma legislação central em sua agenda econômica. Conforme relatos de múltiplos veículos da imprensa local, a chamada Lei de Bases chega ao Senado com um margem apertada de votos.

No final de semana, o chefe de gabinete do país, Guillermo Francos, evitou declarar diretamente se espera a aprovação da matéria. Francos explicou que a oposição detém 33 senadores e poderia bloquear a pauta se obtiver o apoio de pelo menos quatro parlamentares. "Vamos saber no dia da votação", afirmou.

Segundo o jornal Clarín, o governo contabiliza ter assegurado 36 votos a favor da proposta. O fiel da balança será o partido União Cívica Radical, de Martín Lousteau, que ainda não indicou como votará.

Em uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira, o porta-voz do governo, Manuel Adorni, afirmou que a equipe econômica conseguiu resultados "excelentes" com os instrumentos disponíveis e que os próximos passos dependem do avanço de leis. "Resta encarar as reformas estruturais que demandam os votos do Congresso", comentou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: