X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Como a proibição do TikTok nos EUA divide Trump e Biden


O ex-presidente americano Donald Trump declarou-se, nesta segunda-feira, 11, contrário à proibição da plataforma TikTok nos Estados Unidos, uma posição oposta a do atual chefe de Estado americano, Joe Biden, que está disposto a apoiar uma iniciativa que ameaça a rede social.

"O que me chateia é que, sem o TikTok, farão crescer o Facebook, que, para mim, é um inimigo do povo", disse o único candidato na corrida pela indicação do Partido Republicano para as eleições presidenciais de 5 de novembro, em entrevista à rede de TV CNBC.

Trata-se de uma mudança radical de postura do ex-presidente (2017-2021), que emitiu um decreto em agosto de 2020 para proibir o uso do TikTok nos Estados Unidos, alegando que a plataforma de vídeos curtos, popular entre os jovens, representava uma ameaça à segurança nacional. Dois juízes federais anularam a medida, decisões que não foram contestadas pelo governo Trump.

Os 50 membros de uma comissão da Câmara dos Representantes do Congresso votaram na última quinta-feira a favor de um projeto de lei que obrigaria a controladora do TikTok, ByteDance, a vender sua filial, sob pena de ter sua atividade proibida nos Estados Unidos. O texto deve ser votado nesta semana, segundo a imprensa americana.

"Se a aprovarem, assinarei", afirmou Biden na última sexta-feira, ratificando que está disposto a promulgar a nova lei, apoiada por congressistas democratas e republicanos preocupados com os vínculos entre o TikTok e as autoridades chinesas. Eles alertam para o risco de uma transferência em massa de dados de usuários americanos para a China.

O grupo afirmou que não houve nenhuma exigência do governo chinês a esse respeito e ressaltou que se negaria a fazê-lo.

Donald Trump se mostrou a favor da proteção de dados, mas afirmou que outras empresas de tecnologia estão dispostas a fornecer informações sobre seus usuários caso solicitado pela China, mencionando o Facebook.

Após essa mudança de opinião, a imprensa americana citou os vínculos entre o ex-chefe de Estado e Jeff Yass, um doador importante para os candidatos republicanos e cuja empresa de investimentos tem uma participação significativa no capital do TikTok.

Segundo o jornal New York Post, Yass, que se reuniu com Trump na Flórida há poucos dias, teria ameaçado deixar de financiar os candidatos republicanos caso a lei sobre o TikTok seja aprovada.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: