X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

China nega interferência nas eleições dos EUA e critica 'perseguição' ao país


O Ministério das Relações Exteriores da China negou as acusações de interferências nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, classificando as alegações como "perseguição" ao país. O órgão chinês ressaltou seu princípio diplomático básico de "não interferir em assuntos internos de outros países" e que "nunca teve qualquer interesse na eleição americana".

"Os EUA precisam parar com a paranoia, a perseguição e o ato de atirar lama na China para desviar a atenção e evitar a culpa, e passar a contribuir para uma relação bilateral estável entre China e EUA e o bem-estar de ambos os povos", afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lin Jian.

Os comentários chineses foram realizado nesta segunda-feira, 29, durante coletiva de imprensa, em resposta a falas do secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, alegando que há evidências de influência e possível interferência da China nas eleições americanas. As afirmações de Blinken ocorreram em entrevista à CNN, no último sábado.

Na mesma coletiva, o porta-voz Lin Jian também reiterou críticas ao pacote de ajuda militar para Taiwan, aprovado pelos EUA na semana passada, e voltou a defender relações comerciais com a Rússia e o Irã. Segundo ele, as ações americanas infringem a soberania da China e o direito a "relações econômicas e trocas comerciais normais", sob jurisdição da lei internacional, o que cria "sérios obstáculos para a cooperação com os EUA em áreas relevantes".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: