X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Cerca de 170 mulheres engravidam após falha em anticoncepcional, diz entidade

| 17/03/2021 10:04 h

Aproximadamente 170 chilenas engravidaram enquanto tomavam pílulas de anticoncepcional, segundo a Miles Chile, entidade que atua na defesa dos direitos sexuais e reprodutivos nos país.

Segundo informações do blog Universa, do UOL, a estudante Gloria Román, 25 anos, foi uma das chilenas que engravidou mesmo tomando os comprimidos. Ela começou a passar mal em 2019 e passou por uma bateria de exames, onde a gestação foi confirmada.

"Foi impactante receber a notícia, não estava nos meus planos. Eu me cuidava e, mesmo assim, engravidei. Fiquei chocada, não tinha economias e queria continuar a faculdade", contou.

Após denúncias, o Instituto de Saúde Pública (ISP) tirou de circulação um dos lotes das pílulas Anulette CD, em agosto de 2020, ainda de acordo com o UOL. Quatro dias depois, outro lote apresentou problemas e o registro do medicamento foi suspenso.

Em outubro do mesmo ano, o ISP suspendeu quatro lotes dos anticoncepcionais Minigest e o Conti-Marvelon, que também apresentaram falhas.

Imagem ilustrativa da imagem Cerca de 170 mulheres engravidam após falha em anticoncepcional, diz entidade

O Anulette e o Minigest são produzidos no Chile. Já o Conti-Marvelon é fabricado no Brasil pelo laboratório Eurofarma e vendido no outro país pela MSD, conforme informações do UOL.

O ISP condenou a farmacêutica Silesia a uma multa de R$ 520 mil pelas falhas no Anulette. No caso das pílulas do Minigest, foi a própria farmacêutica que pediu a retirada de circulação.

O outro lado

A Silesia disse que as falhas foram pontuais. A suspensão do registro do Anulette já foi retirada e ele voltou a ser vendido.

Em nota enviada ao UOL, a MSD explicou que não houve alteração na composição dos medicamentos, mas afirmou que a utilização das pílulas em uma sequência diferente da recomendada "pode levar a um sangramento irregular ou mesmo a redução da eficácia contraceptiva".

"Como o problema relatado refere-se a um lote específico (número 608442) vendido no Chile, não houve nenhum impacto ou necessidade de medidas preventivas a respeito" no Brasil, completou a farmacêutica.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) destacou que não registrou nenhuma reclamação no País
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS