X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Capixaba que desapareceu em Paris é encontrado depois de 15 dias

Thais Cardoso | 08/02/2022 10:00 h | Atualizado em 08/02/2022, 10:37

Após 15 dias de angústia, uma família de Ibatiba, na região Sul do Estado, está aliviada depois de localizar o estudante Robson Amorim de Freitas, de 32 anos, que estava desaparecido em Paris, na França.

Segundo a família, no dia 22 de janeiro, Robson, que morava na Irlanda, teve um surto enquanto aguardava o teste de Covid-19 no aeroporto de Paris, pois retornaria para o Brasil.

Em contato com os irmãos, ele teria relatado que estava tendo uma crise de ansiedade e não tinha condições de embarcar no voo previsto para às 20 horas, com desembarque às 6h35 do dia seguinte.

Após deixar o aeroporto, o estudante deu entrada em uma clínica da região e, depois disso, a família não conseguiu mais falar com ele.

Desde então, foi iniciada uma forte campanha nas redes sociais na tentativa de localizar o rapaz. Na semana passada, o celular de Robson foi encontrado pela polícia francesa, mas as autoridades não conseguiram mais pistas do paradeiro do capixaba.

Imagem ilustrativa da imagem Capixaba que desapareceu em Paris é encontrado depois de 15 dias
 

Na noite de segunda-feira (7), através das redes sociais, o irmão de Robson informou que ele foi encontrado e disse que estava indo buscá-lo.

"Toda honra e toda glória seja dada a ti, Jesus!", escreveu na legenda da publicação, que incluía duas imagens do rapaz. Em uma delas, Pedro Henrique escreveu: "Deus sempre esteve cuidando de você meu irmão! Estamos indo te buscar, vamos te trazer pra casa".

Imagem ilustrativa da imagem Capixaba que desapareceu em Paris é encontrado depois de 15 dias
 

De acordo com um primo de Robson, o estudante passa bem, mas está com um machucado no rosto por conta de uma queda. Ele apresentava sinais de cansaço, estava confuso e muito assustado. Robson dormiu na rua durante todos esses dias.

"Quando saiu da clínica, ele estava sem celular, sem cartão, sem documento e só com a roupa do corpo. Até que ele viu um cartaz com a foto dele e abordou um rapaz na rua que, por sorte, era brasileiro. Ele pediu ajuda do homem para entrar em contato com a família. O rapaz ligou para a Cyntia, irmã dele, e foi muita emoção! Nós falamos com ele por chamada de vídeo também e o homem ficou com ele aguardando a chegada da polícia", contou o engenheiro civil Gedson Amorim de Freitas.

Ainda segundo o primo, agora Robson está abrigado, alimentado e em segurança. "Os irmãos dele estão vendo os melhores horários para embarcar o quanto antes para a França para trazer o Robson para o Brasil", disse.

Para ele, a corrente que foi feita nas redes sociais e a divulgação nos veículos de imprensa foram fundamentais para que o estudante fosse localizado.

"Tiveram dois grupos de busca lá, organizaram a campanha por grupos de WhatsApp e colocaram os cartazes nas ruas. Muita gente quis ajudar e a divulgação na mídia também contribuiu muito porque até a polícia estava procurando por ele", disse Gedson.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS