X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Biden e Xi Jinping discutem Taiwan, IA e opióide em conversa telefônica


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente chinês, Xi Jinping, discutiram questões sobre Taiwan, inteligência artificial e segurança nesta terça-feira (2), em uma conversa telefônica destinada a demonstrar o retorno ao diálogo regular entre líderes entre as duas potências.

A ligação foi a primeira conversa dos líderes desde que uma cúpula na Califórnia, em novembro, tentou demonstrar laços renovados entre as forças armadas das duas nações e uma promessa de cooperação reforçada para conter o fluxo mortal de fentanil e seus precursores provenientes da China.

Os dois líderes discutiram Taiwan antes da tomada de posse, no próximo mês, de Lai Ching-te, o presidente eleito da ilha, que prometeu salvaguardar a independência do território e alinhá-la ainda mais com outras democracias. Biden reafirmou a política de longa data de "Uma China" dos Estados Unidos e reiterou que os EUA se opõem a quaisquer meios coercivos para colocar Taiwan sob o controlo de Pequim. A China considera Taiwan um assunto interno e protestou vigorosamente contra o apoio dos EUA à ilha.

Biden também levantou preocupações sobre as operações da China no Mar da China Meridional, incluindo os esforços no mês passado para impedir as Filipinas, que os EUA são obrigados pelo tratado a defender, de reabastecer as suas forças no disputado Second Thomas Shoal.

Biden, na chamada com Xi, pressionou a China a fazer mais para cumprir os seus compromissos de travar o fluxo de narcóticos ilegais e de programar precursores químicos adicionais para impedir a sua exportação.

O líder da Casa Branca reforçou as advertências a Xi contra a interferência nas eleições de 2024 nos EUA, bem como contra os contínuos ataques cibernéticos maliciosos contra infraestruturas críticas americanas, de acordo com um alto funcionário da administração dos EUA que previu a teleconferência sob condição de anonimato.

Ele também levantou preocupações sobre os direitos humanos na China, incluindo a nova lei restritiva de segurança nacional de Hong Kong e o tratamento dado aos grupos minoritários, e levantou a situação dos americanos detidos ou impedidos de sair da China.

O presidente democrata também pressionou a China sobre a sua relação de defesa com a Rússia, que procura reconstruir a sua base industrial à medida que avança com a invasão da Ucrânia. E apelou a Pequim para exercer a sua influência sobre a Coreia do Norte para conter o programa nuclear do país. Fonte: Associated Press.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: