X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Aborto se torna tema central na reta final da campanha de Biden e Trump nos EUA


A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, disse neste domingo, 23, que "tudo está em jogo" quanto aos direitos à saúde reprodutiva no país, visto que as eleições de novembro trazem dois candidatos com visões muito diferentes sobre o assunto. A campanha do atual mandatário, Joe Biden, intensifica seu foco em contrastar as posições assumidas pelo presidente e pelo republicano Donald Trump sobre a questão do aborto antes do debate nesta quinta-feira. A campanha democrata acha que pode captar novos eleitores caso insista no tema.

Os comentários de Harris ocorrem no momento em que a campanha anuncia que realizaria mais de 50 eventos em Estados decisivos, e além para marcar o segundo aniversário da decisão da Suprema Corte dos EUA que anulou o direito legal federal ao aborto.

Biden e os seus aliados tentam lembrar os eleitores que a decisão histórica em 2022 foi tomada por um tribunal superior que incluiu três juízes conservadores nomeados durante o mandato de Trump na Casa Branca.

"Todas as pessoas, independentemente do sexo, devem compreender que, se uma liberdade tão fundamental como o direito de tomar decisões sobre o seu próprio corpo puder ser tomada, esteja ciente de que outras liberdades podem estar em jogo", disse Harris em entrevista.

Em abril, Trump disse acreditar que a questão do aborto deveria ser deixada para os Estados. Mais tarde, ele declarou em uma entrevista que não assinaria uma proibição nacional do aborto se ela fosse aprovada pelo Congresso. Ele se recusou a detalhar sua posição sobre o acesso das mulheres à pílula abortiva mifepristona.

Em um evento de campanha no sábado, Trump disse que a sua administração fez "algo que foi incrível" sobre a retirada do direito legal ao aborto em 2022, ao mesmo tempo que reconheceu o perigo político de pressionar mais sobre a questão neste momento. Fonte: Associated Press

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: