search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ineditismo e vanguarda: o Marco Regulatório das Startups
Tribuna Livre

Ineditismo e vanguarda: o Marco Regulatório das Startups

Foi publicada, no último dia 26 de novembro, a Lei Complementar Estadual nº 929/2019, de iniciativa do Governador do Estado, que institui instrumentos e procedimentos para o fomento às parcerias entre o Estado do Espírito Santo e as entidades privadas de inovação tecnológica.

Idealizado na Procuradoria Geral do Estado, a partir da provocação dos atores que compõem o ecossistema capixaba de inovação, o novo marco regulatório, inédito no Brasil, pretende conter uma inquietação que está na ordem do dia em toda mesa de debate sobre o tema: como o Poder Público pode contratar startups?

A natureza peculiar das entidades de inovação tecnológica, especialmente as startups, a cultura de intolerância ao erro e ao experimentalismo, arraigada em nosso sistema de controle público, e o burocrático procedimento de compras públicas criam um ambiente de insegurança jurídica ao gestor para avançar na contratação de soluções inovadoras oferecidas por estas entidades.

Neste cenário, o marco regulatório vem conferir segurança jurídica na contratação de startups pelo Poder Público, mas vai além, instituindo verdadeira atividade de fomento à inovação tecnológica no Estado do Espírito Santo.

A inédita legislação dialoga com marcos regulatórios já existentes no ordenamento jurídico, em especial, as Leis nº 10.973/2004 (Lei Nacional de Inovação), nº 8666/93 (Lei Nacional de Licitações e Contratações Públicas) e nº 10.520/2002 (Lei Nacional do Pregão).

A partir deste arcabouço jurídico, o procedimento de contratação das entidades de inovação tecnológica está sintetizado em três etapas: o chamamento público de seleção; o contrato de fomento para teste da solução inovadora; e o contrato de fornecimento do produto ou serviço inovador.

Além disso, o marco regulatório está alinhado aos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU até 2030 (ODS ONU 2015-2030) e à nova Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro – LINDB, sob a perspectiva da segurança jurídica, trazendo disciplina específica para a responsabilização pessoal do agente público na adoção de testes, práticas, experimentos e processos inovadores, o que somente poderá ocorrer em caso de dolo ou erro grosseiro.

A Lei Complementar nº 929/2019 chega, portanto, como uma potente ferramenta de conexão entre a Administração Pública e as chamadas GovTechs – as startups que se dedicam a construir soluções nas diversas áreas da atividade pública.

O setor público não pode mais ficar inerte à revolução tecnológica e à transformação digital em curso mundo afora. As soluções oferecidas pelas startups têm o poder incalculável de revolucionar a atividade estatal, modernizar a gestão pública e impactar direta e positivamente a vida dos cidadãos.

Não há mais espaço para a antiquada visão da máquina pública, recheada de burocracia, lentidão e ineficiência.

A sociedade exige que a implementação das políticas públicas experimente a oferta infindável de soluções inovadoras já disponível à iniciativa privada, de modo que se possa simplificar processos e entregar serviços públicos de forma célere, eficiente, transparente e menos onerosa.

O novo marco regulatório coloca o Estado do Espírito Santo na vanguarda nesta pauta, impulsionando a inovação no Setor Público e potencializando a transformação da atividade estatal já em curso.

Esperamos que a ideia se dissemine e sirva de exemplo aos demais entes federativos.

Iuri Carlyle do Amaral Madruga é subprocurador-geral do Estado para Assuntos Administrativos.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

O acesso à informação como aliado da saúde preventiva

Em plena era da comunicação globalizada e com notícias sendo disseminadas num fluxo frenético, quando o assunto é saúde, podemos dizer que uma parcela significativa da população ainda tem um acesso …


Exclusivo
Tribuna Livre

Aspecto inconstitucional do aumento do fundo eleitoral

O Congresso aprovou o aumento dos recursos públicos do fundo eleitoral direcionado ao financiamento das campanhas no pleito de 2022. Houve um exuberante acréscimo de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões …


Exclusivo
Tribuna Livre

Empregador tem direito a impor vacinação aos funcionários

Com o início da pandemia da Covid-19, em fins de 2019, e diante das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde para manter isolamento e distanciamento social, os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qualquer dinheiro poupado sempre serve a um fim útil

É praticamente impossível definir o limite de nossos desejos em relação à fortuna. Assim afirma Arthur Schopenhauer (1788-1860) ao tratar da questão intitulada: “O que um homem tem”. Decerto, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Atenção a defeito na obra na hora de comprar imóvel

Todo brasileiro sonha com a casa própria, mas é importante que algumas questões da construção sejam observadas para que esse sonho não se transforme em pesadelo. Porque nada é mais decepcionante do …


Exclusivo
Tribuna Livre

Risco ao se automedicar em vez de buscar ajuda com terapias

Com todas as incertezas, a crise econômica e financeira, as inúmeras adaptações ao novo normal, a pandemia da Covid-19 colocou à prova a saúde mental da população mundial. E no Brasil não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

Possíveis mudanças na lei da improbidade administrativa

Nas últimas décadas, o Brasil experimentou um crescimento exponencial no que diz respeito à prática, por agentes políticos e públicos, de atos de improbidade administrativa. Nesse contexto, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Revogar a lei da alienação parental seria um retrocesso

Muito tem se falando em alienação parental. Parece uma novidade, mas, na verdade, é apenas um nome novo para um problema antigo. Afinal, usar os filhos para atingir o ex-parceiro ou parceira não é …


Exclusivo
Tribuna Livre

Utilização de motos elétricas precisa de regulamentação

As scooters (motos elétricas) e os triciclos elétricos ganharam o gosto de várias pessoas e têm, a cada dia, feito mais parte da rotina urbana. A utilização desse tipo de equipamento ganhou forte …


Exclusivo
Tribuna Livre

Vacina contra a Covid preserva a vida de mais de 40 mil idosos

Desde o ano passado, quando a pandemia registrava altos índices de óbitos, internações e um crescente número de casos de Covid-19, a luz no fim do túnel apontava para uma direção bem clara: a chegada …