search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

In natura
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


In natura

Martha Medeiros (Foto: Divulgação)Martha Medeiros (Foto: Divulgação)

Fique em casa, fique em casa. Alguém acha que isso não interfere na nossa respiração? Tem muita gente sentindo falta de ar sem ter sido contaminada pela Covid. Eu mesma, outro dia, acordei no meio da noite me sentindo sufocada. É por isso que as pessoas, contrariando as recomendações das autoridades, fogem para parques, para as margens dos lagos, para qualquer lugar onde haja vegetação, água e muito, muito ar, este ar que não respiramos direito por trás das máscaras, o ar que nos falta diante desta pandemia interminável que bagunçou nossas vidas.

Não estou incentivando rebeliões, nem pense nisso. Usar máscara é incômodo (já nem acho tanto), mas é preciso usar mesmo assim, e saia de casa o mínimo possível, só quando for necessário, mantendo distanciamento das pessoas que encontrar.

Continuam sendo essas as regras de comportamento civilizado e preventivo. Enquanto a vacina não chega, paciência, paciência e paciência, nesta ordem.

Mas bendito aquele que conta com uma rota de fuga. Se você tem uma tia que vive numa chácara, visite-a e leve um bolo de presente. Se ela reconhecer você (“como cresceu!”), mude-se para a casa dela, provisoriamente.

Se namora alguém que mora na beira do rio, peça-o em casamento (estou brincando, Pedro). Se você tem um sítio ou um refúgio no meio do mato, fique lá com seus livros e discos, volte a acampar.

Possui seis metros quadrados de jardim? Serve. Uma casa na praia? Não humilhe. Eu seria capaz de matar para estar na frente do mar neste exato instante.

Quase invejo o Presidente por ouvir tantos “Fora! Fora!”. Não consideraria um xingamento, e sim um incentivo amoroso.

Em vez de restaurantes fechados, que se volte a fazer piqueniques sobre a grama. Em vez de lojas de roupas e salões de beleza, consumir flores nativas e lavar nós mesmas o nosso cabelo.

Está com saudade das avenidas barulhentas e lotadas? Antes o céu silencioso e lotado de estrelas: as verdadeiras luzes necessárias, longe das luzes produzidas.

Não me faz falta igreja se conto com árvores, dunas, riachos e colinas, que são a representação máxima de Deus, o seu verdadeiro templo, onde ele convoca a todos, de qualquer religião, incluindo os sem religião.

Se você tem um pedaço de ar livre a seu alcance, e seu trabalho (ou ausência de trabalho) permite, pegue a estrada, se mande.

Durma a céu aberto, caminhe sobre o verde, mergulhe e dê muitas braçadas até os pulmões rebentarem de prazer pelo reencontro com sua natureza humana, finalmente em harmonia com a natureza ambiental.

O oceano é vasto. As montanhas são enormes. Há campos a perder de vista. Habitemos de forma mais bem distribuída este planeta que teima em se confinar nas metrópoles infestadas de gente.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

Não basta falar em Deus

Um leitor me pergunta por e-mail: “Como podes atacar um homem tão bom, um aliado de Deus?”. Não preciso dizer a quem ele defendia. A mensagem era cortês, de alguém que acredita que um político que se …


Exclusivo
Martha Medeiros

Aprimorar-se

“Aprimorada pelo tempo”. Gostei dessa definição que li no livro A Ciranda das Mulheres Sábias, da Clarisse Estés. Envelhecer não é nenhum escândalo, mas aprimorar-se é um verbo mais simpático. Na …


Exclusivo
Martha Medeiros

De repente, um sinal de WhatsApp

Me sento em frente ao computador e olho para a tela em branco. Estou decidida a escrever algo a respeito do Dia dos Namorados, mas o quê? A clássica angústia dos colunistas. Antes que me venha a …


Exclusivo
Martha Medeiros

Por trás das máscaras

Ela vinha caminhando em minha direção, de rabo de cavalo, óculos escuros e máscara. Graças à educação que recebi em casa, disse a ela “bom dia”, como digo a todos com quem cruzo durante uma caminhada…


Exclusivo
Martha Medeiros

Vamos comprar um poeta

Sou obrigada a dar o crédito à maldita pandemia: estou lendo bem mais. Ando faminta pelas histórias dos outros, pela vida em sua amplitude e assim vou atualizando as versões de mim mesma. A leitura …


Exclusivo
Martha Medeiros

O que será de nós?

Quem conhece a obra do psicanalista Contardo Calligaris deve ter se sentido, como eu, meio órfã com sua partida precoce. Suas colunas de jornal, entrevistas, palestras, tudo servia como uma espécie …


Exclusivo
Martha Medeiros

Recorrendo à utopia

Em determinadas cidades, o comércio pode ficar aberto; em outras, deve fechar. Em alguns países, os surtos diminuíram; em outros, foram detectadas novas variantes do vírus. Há crianças sem aulas por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Flower Power

Em meio ao desespero pandêmico, foi baixado um decreto autorizando supermercados gaúchos a venderem apenas produtos essenciais – o que fosse supérfluo deveria ser coberto por um plástico ou qualquer …


Exclusivo
Martha Medeiros

Realeza e realidade

Quando criança, figuras monárquicas eram personagens da minha imaginação, com todos os estereótipos que lhes cabiam: a princesa bela, a rainha ardilosa, o príncipe salvador, o rei indolente – nada …


Exclusivo
Martha Medeiros

Uma bandeira destruída

Não sou de me ufanar, mas é difícil segurar a emoção quando vejo um atleta receber uma medalha olímpica enquanto nosso hino toca e a bandeira do País é hasteada. Nesses momentos, sou tomada de um …