search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Idosos e cuidadoras ficam presos em asilo sem comida durante enchente

Notícias

Cidades

Idosos e cuidadoras ficam presos em asilo sem comida durante enchente


Enxurrada deixa três mortos em Alfredo Chaves (Foto: Comunicação Governo do Estado)
Enxurrada deixa três mortos em Alfredo Chaves (Foto: Comunicação Governo do Estado)

Dezenas de moradores de Alfredo Chaves ficaram ilhados depois das fortes chuvas que atingiram o município na última sexta-feira (17). No bairro Imigrantes, 12 idosos e duas cuidadoras de um asilo ficaram ilhados por cerca de 12 horas, sem comida e sem água potável.

Uma equipe de resgate do Corpo de Bombeiros do Estado foi acionada, mas teve dificuldades em acessar o local. Somente no final da manhã deste sábado (18), após a água escoar, foi possível fazer o resgate. “Todos foram resgatados e levados para local seguro sem ferimentos, pelas equipes em terra no local”, informaram os Bombeiros.

No mesmo bairro, uma ponte foi carregada pela força da água. Ainda de acordo com o Corpo de Bombeiros, foram registrados 250 milímetros de chuva em 24 horas na cidade, volume acima do esperado para todo o mês.

A comerciante Dila Bertuani, 51 anos, foi passar o final de semana na região de Alfredo Chaves e contou que a chuva destruiu o centro comercial. “A ponte que dá acesso à cidade caiu e agora os carros estão passando só pela ponte antiga, que só permite a passagem de um carro de cada vez. Muita coisa ficou destruída na cidade. Os comerciantes perderam tudo. Todas as lojas ficaram alagadas”, disse.

Ela contou ainda que a chuva forte começou na sexta (17), por volta das 19 horas. A partir daí, todos os moradores ficaram sem energia até sábado de manhã.

“Estou na parte alta da cidade, mas, na baixa, está tudo alagado. É triste de ver. Nunca vi isso em toda a minha vida aqui em Alfredo Chaves! As pessoas estão tirando a água, tentado recuperar algumas coisas, mas a cidade ainda está alagada”.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados