search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Idoso não deve morar sozinho
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor?

Como ele se manteve silencioso, ouvi o lamento da filha: “Estamos muito preocupados com sua saúde. Ele está morando sozinho. Além dos medicamentos prescritos, ele toma outros, por conta própria. A quantidade dá para encher uma caixa de sapatos. Já não sabemos mais o que fazer.”

Com essa idade, não é arriscado deixá-lo morar sozinho? “Sim, doutor. Mas não é por nossa culpa. Infelizmente, desde que a nossa mãe faleceu, ele insiste viver isolado.”

Observando aquele idoso pálido, magro, desidratado e deprimido, senti compaixão.

Verifiquei a lista dos medicamentos e os exames que havia feito. Descobri um paciente diabético, hipertenso, constipado, deprimido e desnutrido.

Uma das senhoras perguntou: “É grave?” O quadro clínico inspira cuidados, respondi. Seu organismo está enfraquecido.

“O senhor quer dizer que ele está com fome?” Não se trata disso. Anorexia, depressão emocional, dentadura mal ajustada, dificuldades físicas na aquisição e preparo dos alimentos dificultam a alimentação.

“E aí, doutor, os medicamentos estão corretos? ” Apesar de necessárias, muitas drogas aumentam o risco de intoxicação no idoso. Por isso, devem ser reavaliadas com certa frequência.

Em função da morte da esposa, ele está usando calmantes. Esses medicamentos aumentam o risco de quedas e fraturas.

A terceira idade, por si, já favorece o aparecimento de deficiências nutricionais. Como o metabolismo encontra-se diminuído, a anorexia é comum nessa idade.

Também observamos alterações no paladar, modificações no suco digestivo, atrofia da mucosa do estômago e desmotivações existenciais. Esses fatores prejudicam a ingestão e o aproveitamento do alimento. Uma profunda depressão emocional, associada ao seu quadro clínico, havia sepultado sua voz.

Deficiência alimentar aumenta a taxa de mortalidade nos idosos, piorando as doenças concomitantes, comuns na velhice.

Inicialmente o paciente deverá ser internado para recuperar toda essa energia perdida.

Posteriormente, a família deverá se reunir para encontrar um jeito de não mais deixá-lo sozinho.

Com o semblante inexpressivo e os olhos tingidos de desgosto, desabafou: “Estou cansado de viver. Velho não serve pra nada.”

O senhor está enganado, retruquei. O que há de mais sublime no mundo é, também, o que há de mais velho: Deus.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Exclusivo
Doutor João Responde

Fadiga pode ser preguiça ou doença

Minha paciente esteve recentemente em outro médico, queixando-se de vários sintomas, tais como, calafrios, irritabilidade, fraqueza, tontura, dor de cabeça e, principalmente, cansaço que persiste o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados