search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Idoso não deve morar sozinho
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor?

Como ele se manteve silencioso, ouvi o lamento da filha: “Estamos muito preocupados com sua saúde. Ele está morando sozinho. Além dos medicamentos prescritos, ele toma outros, por conta própria. A quantidade dá para encher uma caixa de sapatos. Já não sabemos mais o que fazer.”

Com essa idade, não é arriscado deixá-lo morar sozinho? “Sim, doutor. Mas não é por nossa culpa. Infelizmente, desde que a nossa mãe faleceu, ele insiste viver isolado.”

Observando aquele idoso pálido, magro, desidratado e deprimido, senti compaixão.

Verifiquei a lista dos medicamentos e os exames que havia feito. Descobri um paciente diabético, hipertenso, constipado, deprimido e desnutrido.

Uma das senhoras perguntou: “É grave?” O quadro clínico inspira cuidados, respondi. Seu organismo está enfraquecido.

“O senhor quer dizer que ele está com fome?” Não se trata disso. Anorexia, depressão emocional, dentadura mal ajustada, dificuldades físicas na aquisição e preparo dos alimentos dificultam a alimentação.

“E aí, doutor, os medicamentos estão corretos? ” Apesar de necessárias, muitas drogas aumentam o risco de intoxicação no idoso. Por isso, devem ser reavaliadas com certa frequência.

Em função da morte da esposa, ele está usando calmantes. Esses medicamentos aumentam o risco de quedas e fraturas.

A terceira idade, por si, já favorece o aparecimento de deficiências nutricionais. Como o metabolismo encontra-se diminuído, a anorexia é comum nessa idade.

Também observamos alterações no paladar, modificações no suco digestivo, atrofia da mucosa do estômago e desmotivações existenciais. Esses fatores prejudicam a ingestão e o aproveitamento do alimento. Uma profunda depressão emocional, associada ao seu quadro clínico, havia sepultado sua voz.

Deficiência alimentar aumenta a taxa de mortalidade nos idosos, piorando as doenças concomitantes, comuns na velhice.

Inicialmente o paciente deverá ser internado para recuperar toda essa energia perdida.

Posteriormente, a família deverá se reunir para encontrar um jeito de não mais deixá-lo sozinho.

Com o semblante inexpressivo e os olhos tingidos de desgosto, desabafou: “Estou cansado de viver. Velho não serve pra nada.”

O senhor está enganado, retruquei. O que há de mais sublime no mundo é, também, o que há de mais velho: Deus.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Heroicos pacientes com câncer

O tempo passa da mesma forma, nem muito rápido nem muito devagar. Ele é imutável, transcorrendo no mesmo ritmo, desde sempre. A questão é a nossa percepção do tempo diante de uma ameaça. Nessa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Os benefícios do própolis

Própolis vem de “pró”, que significa “defesa”, e “polis”, que quer dizer “cidade”, fazendo referência à “defesa da cidade”, ou melhor, da colmeia. Trata-se de um hormônio natural, produzido pelas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Os mensageiros dos neurônios

É da natureza do cérebro gostar de controvérsias. Mesmo no paraíso, depois de algumas semanas, ele já encontraria problemas. Talvez seja por isso que esse órgão dispõe de tantos transmissores para …


Exclusivo
Doutor João Responde

Anatomia da mente

Solidão é o alimento do pensamento. Escrever é um ato solitário. Tendo a solitude como anfitriã, clamo pela presença dos pensamentos. São eles que me fornecem a coragem de me enfrentar. Quando a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Drogas e o bafo de Adolf Hitler

Antes mesmo de tornar-se viciado em estimulantes, administrados pelo médico Theodor Morell, Adolf Hitler já manifestava sua natureza perversa. A relação entre o famoso paciente e o egocêntrico …


Exclusivo
Doutor João Responde

Riscos da polifarmácia em idosos

Assim que entrou no consultório, um senhor de idade avançada respondeu ao meu cumprimento, dizendo: “Desculpe-me, doutor, mas eu não te escuto, não te vejo e não te entendo”. Depois disso, o …


Exclusivo
Doutor João Responde

A guardiã que protege o cérebro

O cérebro analisa todos os estímulos que vêm dos órgãos internos, da superfície corporal, dos olhos, ouvidos, nariz e da boca. Ele responde a esses estímulos corrigindo a postura corporal, o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Funções do ferro no organismo

O ferro é conhecido como nutriente essencial, desde 1860, e até hoje o interesse pela anemia causada por ele continua imbatível. O ferro é o mineral mais estudado e descrito na história. Sendo o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Dor de cabeça tensional

Nervosismo pode provocar dor de cabeça e dor de cabeça costuma gerar nervosismo. Estresse e cefaleia são habitualmente usados como sinônimos. Existem vários tipos de dor de cabeça, mas a maioria é …


Exclusivo
Doutor João Responde

As agoniantes cistites

“Estou urinando de meia em meia hora”, queixou-se minha paciente. “Na verdade, parece que vou verter um oceano de urina, mas acabo eliminando apenas algumas gotas, sempre acompanhadas por uma …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados