search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Humilhações em jogos de internet vão parar na polícia

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Humilhações em jogos de internet vão parar na polícia


O ambiente é virtual e descontraído, mas, por trás da tela do computador se escondem crimes de verdade. Injúria racial, ameaças, perseguição e humilhações são alguns deles.

Os crimes extrapolam o momento de diversão e se tornam cada vez mais comuns durante os jogos online. No período de isolamento social, o problema ficou ainda mais evidente, com casos indo parar na delegacia.

Foi o que aconteceu com o publicitário Octavio Baioco Aguiar, de 32 anos. Durante uma partida do popular jogo “Counter-Strike: Global Offensive”, ele sofreu injúria racial e ainda foi ameaçado de morte.

“Era um grupo fechado e, quando minha equipe começou a ganhar, um dos adversários escreveu para mim: ‘tinha que ser preto mesmo, nem o inferno te quer’. Fiquei desestabilizado. Senti muita raiva e, depois, medo, pois quando reclamei, ele falou que viria até a Serra, onde eu moro, para me matar”.

O publicitário Octavio Baioco  abriu um boletim de ocorrência na delegacia após  ser ameaçado durante jogo (Foto:  Beto Morais/AT)O publicitário Octavio Baioco abriu um boletim de ocorrência na delegacia após ser ameaçado durante jogo (Foto: Beto Morais/AT)

Octavio conta que já tinha visto situações como essa no jogo, mas foi a primeira vez que sofreu na pele.

“Entrei no perfil dele e achei as redes sociais. Vi que ele é dono de uma clínica odontológica de Vila Velha. Ele atende muita gente, e tenho certeza, que muitos negros. Será que ele trata os outros assim?”, questionou o publicitário, que abriu um boletim de ocorrência na delegacia.

O ofensor foi denunciado pelo crime de injúria racial, que prevê pena de prisão de um a três anos, além de multa. Se for enquadrado como racismo (quando a discriminação afeta todo um coletivo), o crime é inafiançável e tem pena de prisão de um a cinco anos.

O morador de Vila Velha também foi denunciado por ameaça, que prevê pena de detenção de um a seis meses e multa. “Quero que ele seja punido para que as pessoas não pensem que a internet é terra sem lei”, afirmou Octavio.

O delegado Brenno Andrade, titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos, garante que crimes como esses praticados pela internet, mesmo durante jogos, são investigados e os autores podem ser punidos.

“Por estar em um ambiente virtual, muitos pensam que não serão identificados e punidos. Pelo contrário: serão identificados e vão responder pelos atos. Mas é preciso que haja denúncia”.

O delegado ressalta que é importante que a vítima leve o maior número de informações possíveis, como prints e perfil do autor.


Os crimes mais cometidos durante os jogos


Injúria racial

  • É o crime em que o agressor ofende uma pessoa determinada, utilizando referências de etnia, cor ou raça.

  • Pena: prisão de um a três anos, além de multa.

  • Se for enquadrado como racismo (quando a discriminação afeta o coletivo), o crime é inafiançável e tem pena de prisão entre 1 e 5 anos.

Extorsão

  • Quando o autor consegue obter vantagem econômica, por meio de ameaça ou violência, prática comum em jogos que envolvem dinheiro.

  • Pena: prisão de 4 a 10 anos, e multa.

Ameaça

  • Consiste no ato de ameaçar alguém, por palavras, gestos ou outros meios, de lhe causar mal injusto e grave.

  • Pena: detenção de um a seis meses e multa.

Roubo/golpe

  • Envolve o roubo de contas em jogos, geralmente contas com dinheiro.

  • Pena: pode ser de até oito anos de prisão, em caso de agravantes previstos.

Fonte: Especialistas consultados.