search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Horta feliz dos versos
Carlos Nejar
Carlos Nejar

Carlos Nejar


Horta feliz dos versos

Escreveu o grande Poeta Paul Valéry, que “o melhor do novo é que responde um desejo antigo”. Todos criamos numa tradição.

Assim, toda ruptura se estabelece sobre as ruínas do velho, é uma horta nova com o esterco antigo. E dele, hão de nascer flores e hortaliças. Com a chuva a visitar a horta, ou com seu regar diário, laborioso. E é como brota o poema.

A inspiração é o sopro do vento na semente e o cair a semente na terra boa. E deve, às vezes, o poeta, dito agricultor, segurá-la, até que venha.

E só quem planta tem o direito de colher, e apenas aquele que inventa o sonho adquire o direito de conquistá-lo, ao crescer.

É a realidade da poesia que precisa ser posta, depois de o arado sulcar a terra da criação, como se a infância, ali, se misturasse ao virar do solo, ou fosse aluvião inserido na paz do chão.

Mas a poesia no sonho jamais é terminada, como nós que a geramos. Somente nos completamos na Eternidade, com Deus.

E a palavra, que é nutrida, se ergue no texto e o texto toma alento na viração, entre rimas, ritmos e símbolos.

Pois a árvore avulta na horta, com o tronco dos dias e noites.

Nada é sozinho e tudo tem sentido, mesmo que não se veja. Como tudo o que nasce tem destino, ainda que precise da operação do tempo.

A vida é mais forte, a linguagem começa a se exprimir na exuberância, que é beleza, esplendor da forma.

E a horta feliz dos versos emerge sob o sol, a luz e calor na vereda do poema, quando aparece escrito, porque já brilha. Como um puro desejo de liberdade.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Carlos Nejar

A Idade da Pedra Lascada

Estamos, estranhamente, voltando à Idade da Pedra Lascada e ao Pithecantropus Erectus. Mas ao avesso, em robôs e na técnica que supre o trabalho do homem. Desde a burocracia que nos assoma para …


Exclusivo
Carlos Nejar

Interpretação

O que é da razão ou da criação humana se interpreta. O que é de Deus, é revelado. Mas sempre há um mistério Nele, que é encoberto. O profético alcança o Espírito e Ele, o futuro. Mas somente …


Exclusivo
Carlos Nejar

Bem-aventurados

Salienta Jonathan Swift, o genial autor de “Aventuras de Gulliver”, que são “bem-aventurados os que nada esperam, porque não ficarão decepcionados”. Eu, hoje, aprendi a não esperar nada e, se …


Exclusivo
Carlos Nejar

A certeza humana

A razão humana, muitas vezes, toma tão forte certeza, que não carece de ouvir ninguém mais. E por que ouvir, se a razão determina e rege, com a segurança de que nada mais a abalará. Nem a fala …


Exclusivo
Carlos Nejar

A difícil piedade

O mundo carece de piedade. E diante da frieza, estupidez ou indiferença, a piedade só se aprende na dor. Sim, leitores, vi a notícia, com foto, de uma mulher, de 80 anos, imigrante venezuelana, sendo …


Exclusivo
Carlos Nejar

Todos os personagens

“Todos os meus personagens existem” – escreveu Guimarães Rosa. Decerto sempre existiram na sua imaginação e passam a existir no aluvião das palavras. E se bem meditarmos, nada do que se viveu ou …


Exclusivo
Carlos Nejar

Solidão cumprida

“A solidão faz a pessoa séria”, observou o grande Machado de Assis. E, noutro instante, ele assegura que “a solidão é a oficina das ideias”. E o que vemos, em regra, é outra oficina, a dos que o …


Exclusivo
Carlos Nejar

Prenúncio nuvente

A Nuvem Letícia me apareceu na sacada de meu apartamento, depois de longo silêncio. E é como posso ver a palavra e a palavra me vê. - Estou aqui pela palavra, disse. Não pelo silêncio. - Como? …


Exclusivo
Carlos Nejar

A esperança do milagre

O milagre não vem sem esperança. Ou a esperança precede o milagre. E meditava sobre a transitoriedade das coisas ou a forma como as aflições e alegrias se entrecruzam como navios no mar. Mas …


Exclusivo
Carlos Nejar

O direito ao esquecimento

Passou pelo julgamento de ministros do Supremo Tribunal Federal um recurso que defende o direito ao esquecimento. E esse direito, aliás, foi dado na Espanha, a pedido de Mário González, …