search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Homem tenta dar golpe pelo WhatsApp com nome de vice-governadora

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Homem tenta dar golpe pelo WhatsApp com nome de vice-governadora


O golpista conversava pelo WhatsApp com o superintendente regional de Educação (Foto: Divulgação/ PCES)
O golpista conversava pelo WhatsApp com o superintendente regional de Educação (Foto: Divulgação/ PCES)
Um vigilante de 38 anos se passou pela vice-governadora do Espírito Santo, Jacqueline Moraes, para tentar conseguir um cargo comissionado para uma mulher, em São Mateus, no Norte do Estado. 

O golpista conversava pelo WhatsApp com o superintendente regional de Educação da região, se apresentando como Jacqueline. Inicialmente, começou a falar sobre assuntos políticos, citando o nome de autoridades. Em seguida, pediu um cargo na pasta para uma mulher.

O superintendente desconfiou. Primeiro, por causa do linguajar utilizado por quem seria a vice-governadora, com erros de português e risadas. Depois, porque o vigilante mandava as mensagens e logo em seguida apagava, para não deixar muitas provas. Na foto do perfil, ele chegou a colocar uma imagem oficial do governo.

Em setembro do ano passado, a polícia foi procurada pela própria Jacqueline para investigar o caso. “Descobrimos que ele era um vigilante que já havia trabalhado na superintendência, ou seja, conhecia o superintendente com quem começou a conversar se passando pela vice-governadora”, explicou Brenno Andrade, da Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC).

Depois das investigações, os policiais foram até a casa do vigilante, em São Mateus, para colher provas. Na ocasião, ele ainda tentou intimidar os agentes, dizendo que tinha o contato e conversava até com o governador do Estado. Os celulares foram apreendidos e ficou provado que o suspeito estava cometendo o crime.

“Ele nega as acusações, mas o depoimento dele é contraditório. O que nos causou surpresa foi a audácia dele, de se passar pela autoridade. Deixamos aqui o alerta: cuidado com o que vocês fazem nas redes sociais, pois é possível identificar e responsabilizar”, disse o delegado.

Por ter negado as acusações, não foi possível extrair do vigilante a motivação para o crime e nem quem seria a mulher para quem ele estava pedindo o cargo. Agora, ele será indiciado por estelionato, e deve responder em liberdade.

Procurado pela reportagem do Tribuna Online, o advogado Cláudio Saade, que representa a vice-governadora, agradeceu o trabalho da polícia na conclusão do caso e que Jacqueline Moraes agora aguarda uma manifestação do Ministério Público. “A denúncia foi feita para preservar o nome da vice-governadora, até mesmo diante do cargo que ela ocupa, para não lhe causar um desgaste moral. Ela é uma mulher batalhadora, que nunca teve seu nome envolvido em nada. É preciso denunciar para que pessoas não sejam atingidas em um golpe como este”, afirmou.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados