search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Home office: funcionário vai ter que ir até 8 vezes ao local de trabalho por mês

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Home office: funcionário vai ter que ir até 8 vezes ao local de trabalho por mês


A necessidade de isolamento social provocada pela pandemia fez com que as empresas e os funcionários tivessem que se adaptar ao home office rapidamente. A forma de realizar as atividades mudou e a certeza de que a modalidade de trabalho veio para ficar aumenta a cada dia.

Mas, se de um lado estão as vantagens que o home office proporciona, do outro está o risco de perda de conexão com a empresa e com os colegas, além do esgotamento emocional que o formato pode causar. Por isso, a tendência é de que o modelo híbrido seja o mais adotado, fazendo com que o funcionário vá ao local até 8 vezes por mês.

O formato híbrido seria um “meio caminho”, segundo especialistas de Recursos Humanos, onde os funcionários mesclam o trabalho presencial com o remoto. É possível que tenham que comparecer até 8 vezes por mês na empresa, sendo duas por semana.

A tendência é que o empregado compareça uma vez na semana. Caso necessário, as empresas podem solicitar a presença dos funcionários mais vezes.

“Esse método se bem planejado, tende a agregar valor no mercado de trabalho. As empresas viram que o home office diminui o custo operacional, mantém a produtividade em alta e ainda oferece qualidade de vida para as pessoas”, destacou a psicóloga e especialista em Pessoas e Carreiras, Gisélia Freitas.

Ela explicou que áreas que não exigem presença física estão propensas a adotar o modelo híbrido. Outras, vão permanecer trabalhando da forma tradicional. “Como no caso de técnicos da área hospitalar e laboratoriais, de construção civil e atividades do campo”.

Fernando Otávio Campos, presidente do Conselho Temático de Relações do Trabalho (Consurt) da Federação das Indústrias do Estado (Findes), destacou que é preciso um bom planejamento para evitar problemas como a falta de conexão entre a empresa e o empregado.

“É preciso prestar atenção na conexão com os funcionários para a empresa manter a sua essência. Confraternizações, reuniões, tudo isso são formas de conexão”.

As pessoas não necessariamente terão que residir na mesma localidade da empresa. “A pessoa terá que se preocupar com o cronograma presencial, trabalhar em lugares mais próximos para que possa ir e voltar”, disse Gisélia.



Alívio no transporte para ir trabalhar

Atuando na área de recrutamento e seleção, a universitária Lorena Barbosa Pereira afirmou que o modelo híbrido de trabalho pode ser o ideal para as empresas em geral.

Segundo ela, é importante que o profissional consiga usufruir dos benefícios que tanto o trabalho remoto quanto o presencial podem proporcionar dentro da rotina. “A graça é justamente que não temos que escolher um ou outro”, disse.

Ela está atuando em home office por causa da pandemia do novo coronavírus. Para a universitária, um dos pontos positivos é não se ter que enfrentar o transporte público.

“Neste momento é um ponto bem relevante. Mas é preciso disciplina para seguir todos os horários e cumprir as atividades esperadas”.

Universitária Lorena Barbosa Pereira  (Foto: Acervo Pessoal)
Universitária Lorena Barbosa Pereira (Foto: Acervo Pessoal)



Comunicação é um dos fatores mais sensíveis no teletrabalho

Kleber Alves: acordo (Foto: Divulgação)
Kleber Alves: acordo (Foto: Divulgação)
Para que o trabalho remoto funcione, é preciso seguir algumas orientações, segundo especialistas. Um fator essencial é que as partes consigam manter uma boa comunicação, através de mensagens, telefonemas e videoconferências.

Kleber Alves, diretor de Expansão e Novos Negócios do Grupo Educavix, destacou a importância de se estabelecer acordo. “Cabe aos gestores estabelecer os acordos necessários para garantir as entregas das equipes e saber contornar os problemas”, disse.

José Carlos Bergamin, diretor da Federação do Comércio do Estado, afirmou que o trabalho híbrido pode resolver os problemas do 100% remoto. “Quando se faz o híbrido, o trabalho presencial se torna mais rico. Será um momento de reencontro e vai aflorar o emocional”.



SAIBA MAIS
Ambiente agradável em casa


Remoto e presencial juntos

  • O modelo de trabalho em home office foi uma saída encontrada pelas empresas durante a pandemia do novo coronavírus.
  • Porém, as corporações agora se preparam para adotar um novo modelo, que é o híbrido. Este se apresenta com um formato mais flexível, em que é possível mesclar o trabalho remoto com o presencial.
  • Especialistas de Recursos Humanos acreditam que o empregado terá que ir à empresa até oito vezes por mês, sendo até duas por semana. Porém, o mais comum será ir à empresa apenas uma vez por semana.
  • Alguns cuidados devem ser tomados por ambas as partes. Para as empresas, é necessário auxiliar na estruturação do local de trabalho em casa, como acesso à internet, sistemas integrados e telefone.
  • Para o empregado, é importante fazer um acordo com vizinhos e familiares, ter um ambiente agradável, estabelecer horários, entre outros pontos.

Fonte: Especialistas ouvidos.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados