search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Governo quer reduzir o depósito que empresas fazem no FGTS dos funcionários

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Governo quer reduzir o depósito que empresas fazem no FGTS dos funcionários


Em troca de apoio para criação de um novo imposto nos moldes da antiga CPMF, o ministro da Economia Paulo Guedes apresentou ao presidente Jair Bolsonaro um pacote de alívio na folha de pagamento.

Uma das medidas é reduzir os depósitos de empresas no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de empregados.

A proposta é de diminuir de 8% para 6% a contribuição ao FGTS pago pelas empresas sobre salários dos funcionários. O corte, porém, representaria perdas para os trabalhadores, que teriam menos recursos depositados.

Para o governo, a redução provocaria um aumento das contratações no mercado formal. Parlamentares, no entanto, avaliam que dificilmente o Congresso irá aprovar a mudança no FGTS.

Paulo Guedes apresentou redução nas obrigações das empresas como contrapartida para criar novo imposto no País (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Paulo Guedes apresentou redução nas obrigações das empresas como contrapartida para criar novo imposto no País (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Outro ponto do pacote é a diminuição na contribuição para o Sistema S, cujas alíquotas variam de 0,3% a 2,5%, de acordo com o setor da empresa. Segundo fontes, técnicos da equipe econômica estudam se essas duas medidas valeriam apenas para novos contratos ou se incluiriam os atuais.

A terceira medida apresentada seria a redução de 20% para 15% da contribuição patronal para o INSS em todos os contratos de trabalho, inclusive os vigentes. No caso de empregados que ganham salário mínimo (até R$ 1.045), esse imposto seria zerado.

Diferente da contribuição ao INSS, os cortes no FGTS e no Sistema S não teriam impacto fiscal. Portanto, não dependeriam da criação do novo imposto para serem viabilizados.

O diretor da Federação do Comércio (Fecomércio-ES), José Carlos Bergamin, disse que o alívio da folha de pagamento é essencial. “É uma boa redução, mas longe de resolver o problema e dar competitividade para o Brasil, precisa ser mais ousada, desonerar mais”.

O economista Pedro Lang afirmou que a diminuição dos impostos tende a permitir uma maior negociação salarial. “Fica menos custosa a contratação e abre espaço dele negociar um valor de salário. Mas não dá para saber se vai acontecer, na prática”, disse.

O também economista Marcelo Loyola Fraga comentou as novas medidas. “As medidas para destravar a economia são importantes principalmente no que tange a geração de empregos. Porém, deve-se ter bastante cautela no momento de retirar direitos”.


ENTENDA


Criação da nova CPMF

  • As medidas de alívio na folha de pagamento que foram apresentadas pelo ministro Paulo Guedes ao presidente Jair Bolsonaro, aparecem como uma contrapartida para a criação de um novo imposto, nos moldes da antiga CPMF.

FGTS

  • Uma delas é a redução da contribuição ao FGTS paga pelas empresas sobre salários dos empregados. Atualmente, os empregadores pagam 8%, e com a mudança proposta, passariam a pagar 6%.
  • O corte representaria menos recursos depositado nas contas dos trabalhadores. O governo argumenta que, em troca, haveria um aumento das contratações no mercado formal.

Sistema S

  • Outro ponto que foi apresentado é a redução na contribuição para o Sistema S, cujas alíquotas variam de 0,3% a 2,5%, de acordo com o setor da empresa.
  • Não se sabe ainda se esta medida e a do FGTS valeria apenas para novos contratos ou se os contratos atuais seriam incluídos.

INSS

  • Outra proposta foi a redução de 20% para 15% da contribuição patronal para o INSS em todos os contratos de trabalho.
  • Esta medida também atingiria os contratos vigentes. No caso de empregados que ganham salário mínimo, esse imposto seria zerado.
Fonte: Jornal O Globo e Pesquisa AT.
Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados