search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Giulia Be: “A gente escolhe como vê a vida”

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Giulia Be: “A gente escolhe como vê a vida”


Giulia: "Eu romantizo muito a vida nas coisas pequenas. Eu mesma me iludo” (Foto: Bernie Walbenny/Divulgação)
Giulia: "Eu romantizo muito a vida nas coisas pequenas. Eu mesma me iludo” (Foto: Bernie Walbenny/Divulgação)

Um dia nublado, um amor que não deu certo ou tudo sair fora do planejado podem acabar com o humor de muita gente. Mas não com o da cantora carioca Giulia Be, 20 anos, a dona do sucesso “Menina Solta”.

O segredo? Romantizar a vida! Ela, que cresceu lendo livros de romance, sempre gostou de acreditar na magia das coisas e carrega isso para as suas letras.

“Eu romantizo muito a vida nas coisas pequenas. Eu mesma me iludo. Sempre fui assim. A gente escolhe como vê a vida. Uma amiga minha sempre disse que pode estar chovendo que vai ser um dia lindo. Um dia, questionei o porquê de ela dizer isso. Ela me falou que é ela quem escolhe se o dia vai ser lindo ou não. Achei isso bacana e carrego comigo. Tudo na vida acontece por um razão”, afirma ao AT2.

Tão nova e mais feliz com a posição de menina do que com o posto de popstar que ocupou quando lançou “Too Bad”, no início de 2019, a artista acredita que está longe de encontrar o “final feliz, descomplicado” que ela canta no hit “Se essa vida fosse um filme”.

“Não encontrei, mas penso muito nele. Tem uma frase de Winston Churchill que falei muito para mim mesma aos 18 anos, quando comecei a carreira: 'Isto não é o fim. Nem sequer é o começo do fim. Mas é, talvez, o fim do começo'. Eu ainda quero tanta coisa para mim, amores para viver”, diz ela, que escreveu a canção para o seu até então namorado, hoje ex.

Tanto “Se essa vida fosse um filme” quanto “Menina Solta” estão em seu primeiro EP, “Solta” (Warner Music), lançado em maio. O trabalho ainda conta com o novo single de Giulia, a divertida “Recaída”, que ganha clipe ainda esta semana.


Giulia Be | Cantora e compositora
“Ser 'solta' é ter liberdade de ser você mesma”


AT2: Quem é Giulia Be, essa “menina solta”?
Giulia Be: Todo dia me surpreendo e me redefino. Me sinto uma menina ainda, tentando entender meu propósito. Ser 'solta' é você ter liberdade de ser você mesma, sem dar ouvido ao que os outros pensam de você e, por dentro, se amar o suficiente para ter confiança de ser essa pessoa por fora.

Quando decidiu nomear o EP de “Solta”?
Quando tatuei meu dedo com “solta”, em outubro. “Menina Solta” foi uma música que não pensava que iria virar o que virou. Escolhi esse nome pelo significado que ele passou a carregar depois disso.

Mas, no início, era vista como a nova popstar. Certo?
Não me sentia confortável nessa coisa mais popstar. Comecei a me encontrar quando fiquei mais Giulia, solta, de cabelo solto, mais menina, não tentando ser uma mulher que eu não sou.

“Menina Solta” traz um olhar diferente sobre romance, já que, geralmente, o homem é o “solto” da história, não?
Foi a primeira vez que encontrei esse lado meu como compositora. Antes, acho que as músicas iam para um lado reconhecível. E lógico que isso contribuiu para o sucesso!

Todo mundo já passou por uma menina “solta”. Eu e minhas amigas já fomos meninas soltas em algum ponto da vida. (Risos) Com essa música, vi que toquei o coração do homem hétero, porque todos já passaram por uma garota assim.

E a gente pode ser a menina solta, mas um dia também pode ser a menina corna. Somos múltiplos!

E “Recaída”, o novo single?
É uma música divertida e engraçada. Canto: “Falei pras minhas amigas que hoje ia no cinema/ Fala pros seus amigos que vai resolver um problema/ Chama o Uber logo e vem me ver/ Me chama de problema e vem me resolver”. E eu super mandaria isso! Tanto que uma das minhas figurinhas mais usadas no WhatsApp é uma que tem: “Chama na solução, porque, de probleminha, já basta eu”. (Risos)

Se sua vida fosse um filme, em qual cena você daria pausa?
No Rock in Rio de 2019, quando participei do show do Projota. Foi o maior número de pessoas para qual já cantei, e cantar no festival era um sonho meu. Foi muito simbólico para mim e minha família.

Disse que o clipe de “(Não) Era Amor” foi inspirado em um sonho louco seu.
Essa música é sobre um antigo relacionamento de uma amiga. Depois, percebi que tinha a ver com meu primeiro relacionamento, onde eu me diminuía muito, acreditava no que a outra pessoa falava para diminuir minha autoestima.

Às vezes, a gente não percebe, mas acaba aceitando certos comentários e os nossos próprios pensamentos, de se olhar no espelho e falar “Giulia, você está muito feia”, e isso fica nos nossos sonhos.

Tenho sonhos muito loucos e, quando a gente estava buscando o conceito do clipe, tive esse em que tinham várias Giulias. Acho que foi baseado num episódio do Bob Esponja, meu desenho preferido! Inclusive, sofri bullying na escola porque meu rosto era muito quadrado e grande, me chamavam de “Bob Esponja cara quadrada”. E é engraçado porque, hoje, todo mundo faz harmonização facial para ficar com a cara enquadrada. (Risos)

Nesse episódio, tem vários Bob Esponja na cabeça dele. E, no meu sonho, tinham várias de mim se organizando, brigando uma com a outra, tocando violão... Foi caótico! (Risos) Mas acordei e falei que a gente precisava fazer isso. Como um fã disse: “Sou eu lutando contra a minha própria consciência”.

Em “(Não) Era Amor”, você também fala sobre a falta de responsabilidade afetiva.
Não conhecia o termo até poucos anos atrás, mas, obviamente, já conhecia a prática. E é importante trazer atenção para o termo.

Às vezes, a gente faz o que é melhor pra gente e não pensa no outro ou gosta de ver o outro sofrer pela gente, porque faz bem para o nosso ego. Mas, quando passei por isso, falei: “Nunca mais faço isso com ninguém”. Porque é horrível, um dos piores sentimentos do mundo!

Ter a consciência limpa de que você foi correta dá um final feliz pra sua vida, é melhor do que sair traumatizado de um capítulo.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados