search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"Fiz uma besteira", diz suspeito de matar a mãe e a irmã ao procurar a polícia

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

"Fiz uma besteira", diz suspeito de matar a mãe e a irmã ao procurar a polícia


Um jovem de 20 anos, suspeito de assassinar a mãe e a irmã, procurou a Polícia Militar e disse que tinha "feito uma besteira". O caso aconteceu na madrugada de quarta-feira (9), em Monte Azul, no norte de Minas Gerais.

As vítimas foram identificadas como Marta Cristina Santos Jorge, de 49 anos, e Crissla Eslya Santos Jorge, 13. (Foto: Reprodução/Facebook)As vítimas foram identificadas como Marta Cristina Santos Jorge, de 49 anos, e Crissla Eslya Santos Jorge, 13. (Foto: Reprodução/Facebook)

Segundo a PM, após o crime, o rapaz teria tentado tirar a própria vida ferindo os pulsos. Os militares perguntaram qual besteira ele teria feito e o suspeito respondeu que matou a mãe, de 49 anos, e a irmã, de 13. O jovem, que não teve o nome divulgado, indicou aos policiais o local onde os corpos estavam. Como estava ferido, ele foi socorrido sob escolta policial para um hospital da cidade.

Mãe e filha foram encontradas em um quarto da casa da família. O Samu chegou a ser acionado e a equipe constatou que as duas já estavam mortas. 

A mulher estava no chão e a adolescente, em cima de uma cama. A suspeita é que elas foram assassinadas enquanto dormiam.

As vítimas tinham ferimentos de faca principalmente na região do pescoço e cabeça. Os corpos foram encaminhados para o Instituto Médico Legal de Januária, na mesma região.

Questionado sobre a motivação do crime, o rapaz respondeu que a mãe e a irmã o responsabilizavam pela separação da mulher e do pai. O caso segue sob investigação da Polícia Civil.