search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Filme sobre assédio sexual na Fox News consegue fugir do maniqueísmo
Claquete

Filme sobre assédio sexual na Fox News consegue fugir do maniqueísmo

Por Fernanda Mena (Folhapress)

Com um elenco de primeira linha e uma trama carregada de intrigas, sexo e poder, "O Escândalo", de Jay Roach, trata do episódio que inaugurou, ainda em 2016, a série de denúncias de assédio sexual em torno das quais se articularam movimentos como MeToo e Time's Up.

Não é pouca coisa.

No ano da eleição de Trump, a apresentadora Gretchen Carlson (Nicole Kidman) acusou de assédio sexual a Roger Ailes (John Lithgow), criador e CEO da Fox News, canal mais visto, amado e odiado dos EUA.

Sua denúncia puxou uma fila de muitas outras, entre elas a de Megyn Kelly (Charlize Theron), célebre âncora do canal, e a da jovem evangélica Kayla, personagem ficcional vivida por Margot Robbie.

Megyn Kelly (Charlize Theron), célebre âncora do canal (Foto: Reprodução/ YouTube ONE Media)
Megyn Kelly (Charlize Theron), célebre âncora do canal (Foto: Reprodução/ YouTube ONE Media)

O escândalo afastou Ailes da TV que havia criado à sua imagem e semelhança –conservadora, sensacionalista e com um especial apetite por apresentadoras de vestidos justos e curtos. Entre âncoras de extrema direita e funcionárias que se orgulham de dizer que não são feministas, estoura a bomba, evidenciando que Ailes usava seu poder para subjugar jornalistas em busca de projeção e sucesso.

Assim, enquanto a ambição de jornalistas homens os submetia ao crivo da competência, a ambição das mulheres as empurrava para um pedágio sexual na sala do todo-poderoso da emissora, a quem ninguém queria desagradar.

E, ainda que nesse tipo de caso seja inevitável usar o binômio vítima-algoz, "O Escândalo" consegue fugir do maniqueísmo mais rasteiro e dar nuances às personagens.

Carlson só acusa o ex-chefe depois que é demitida. Kelly reluta em revelar que também foi alvo das investidas com receio de arruinar a carreira. Colegas mulheres fazem campanha a favor de Ailes, que é ele mesmo um tipo bonachão.

O frenesi dos bastidores da Fox News dá o ritmo acelerado do filme e, no contexto eleitoral, cria novas camadas de interesse que poderiam ter sido mais bem exploradas pelo diretor, que claramente não arrisca em nada.

A narrativa da sororidade é apresentada como solução, o que pode ser edificante e sedutor numa era de mulheres empoderadas, mas que não deixa de ser algo ingênuo. As denúncias derrubaram o poderoso chefão da Fox News, mas vieram outros chefes da mesma escola, levando a novos escândalos –os últimos de poucos meses atrás - que só evidenciam a vulnerabilidade feminina diante de instâncias de poder ainda dominadas por homens.

O ESCÂNDALO
Avaliação: bom
Quando: Estreia nesta quinta (16)
Classificação: 14 anos
Elenco: Charlize Theron, Nicole Kidman, Margot Robbie
Produção: EUA, Canadá, 2019
Direção Jay Roach


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados