search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Fica a dica
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


Fica a dica

Levou pouco mais de 20 anos para a CBF, criada em 1980, assumir, em definitivo, que o futebol brasileiro devesse ter um campeonato nacional por pontos corridos, reunindo apenas 20 clubes e procurando valorizar as grandes marcas do país – exatamente como queria o extinto Clube dos 13, organização criada em 1987 quando a própria CBF declarou não ter condições financeiras para organizar sua, então, única competição.

No início do novo século, após seguidas edições terminadas com discussões polêmicas na Justiça Comum, o então presidente Ricardo Teixeira planejou um calendário quadrienal para que os clubes se adaptassem à nova fórmula de disputa.

Em 2003, a competição teria 24 participantes, com dois sendo rebaixados à Série B do ano seguinte, e acesso dos dois primeiros da divisão inferior.

Na edição de 2004, também com 24 clubes, quatro seriam rebaixados à Série B e apenas dois ascenderiam à Série A.

Com isso, em 2005, a competição passaria a ser disputada por 22 clubes, de novo com quatro rebaixados e apenas dois promovidos.

Até quem em 2006, chegasse ao desejado número de 20 participantes. A partir dali, seguiria rebaixando os quatro últimos, mas promovendo os quatro primeiros da Série B.

Grande erro

Hoje, quase vinte anos depois, vejo que este foi o grande erro da CBF. E, com sinceridade, não vejo mais formas de consertá-lo sem casuísmo.

Observando a linha do tempo, percebo claramente o quanto foi cruel para as grandes marcas e, como consequência, para o próprio futebol brasileiro o rebaixamento de quatro clubes de sua divisão principal para o acesso de outros quatro de um grupo secundário.

Calendário

O calendário inchado pelas competições continentais (antes destinada apenas ao campeão e ao vice do país no ano anterior) encareceu o custo, desgastou os elencos e criou armadilhas.
E o impacto econômico torna o nivelamento maior a cada ano. Já não se justifica a punição sumária do 17º e do 18º colocados da Série A para a promoção dos 3º e 4º colocados da Série B sem que haja um playoff entre eles.

Foi assim no Campeonato Espanhol da década de 90, até que se chegasse à conclusão de que apenas três clubes deveriam ser rebaixados.

Hoje, os dois primeiros da segunda divisão ascendem diretamente, e os clubes que ficam entre o 3º e o 6º lugares disputam um playoff para ver quem fica com a terceira vaga na cobiçada La Liga. Algo que a CBF deveria pensar para as próximas edições do Brasileiro...

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

As derrotas do Vasco para Portuguesa/RJ e Volta Redonda nas duas primeiras rodadas acabaram como divisor de águas para a definição dos quatro semifinalistas do Campeonato Carioca. Como esperado, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Primeiro estágio

Em sua palestra a profissionais matriculados no curso de aprimoramento para a Licença Pro da CBF Academy, na semana passada, o francês Arsène Wenger abriu a dissertação falando que há dois tipos de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Evidências

A vitória que encerrou o jejum do Vasco sobre o Flamengo, depois de 17 jogos ou cinco anos, pode fazer muito bem ao clube que tenta o retorno à Série A. Foi assim nos estaduais de 2009 e 2016 – anos …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Decência e respeito...

Desportivamente, em qualquer dia, horário e local em que Vasco e Flamengo se enfrentarem, os rubro-negros estarão em posição de vantagem. Pelo melhor elenco, tempo de maturação de seus times A e …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Dos onze jogadores que Rogério Ceni levou a campo para a final da Supercopa do Brasil, na manhã de ontem, em Brasília, apenas quatro não jogaram em clubes europeus: Willian Arão, Rodrigo Caio, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Os superclubes...

Grosso modo, levando em consideração que no Brasileirão de pontos corridos as partidas decisivas são aquelas contra os mais diretos concorrentes, sinto-me em condições de dizer que o Flamengo perdeu …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O último suspiro

O projeto de reformulação administrativa, econômico-financeira e organizacional anunciado pelo Botafogo no início da semana é sopro de esperança na retomada da capacidade de investimento. Jorge …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Euforia e depressão

Alinhar a eficiência do time com a paciência da torcida talvez seja o maior dos desafios que as diretorias de Botafogo e Vasco terão pela frente até o final deste segundo ano pandêmico. Porque a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

A vitória por 3 a 2 sobre o Nova Iguaçu deu ao Volta Redonda a liderança provisória do Carioca. E a três rodadas do final da fase classificatória, já não se discute até onde poderá chegar o vice-camp…


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Entre flores e espinhos...

A vitória do Flamengo sobre o Bangu na sétima rodada do Carioca, no retorno do time principal, trouxe a irritante euforia desmensurada já vista em outros momentos sob o comando de Rogério Ceni. O …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados