search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Festa do amor com Amado Batista

Entretenimento

Entretenimento

Festa do amor com Amado Batista


Amado Batista: “Eu penso que música tem que ser simples. Nada de inventar moda” (Foto: Divulgação)
Amado Batista: “Eu penso que música tem que ser simples. Nada de inventar moda” (Foto: Divulgação)

Uma festa em tributo ao amor com Amado Batista. Esse é o clima da nova turnê comemorativa de 44 anos de carreira do goiano, baseada em DVD recém-lançado. E dispensa até lua cheia!

“Gostei do resultado, ficou rebuscado, bonito e com penumbra combinando com minhas música de amor”, conta o cantor e compositor de 68 anos ao AT2.

Na apresentação de sábado, no Matrix Music Hall, em Cariacica, o show será com canções como “Meu Ex-amor”, “Princesa” e “Folha Seca”, além das novas “Amor”, “Golpe Fatal” e “Larga Tudo e Vem Correndo”.

Amado garante que paixões e fossa são situações inspiradoras. “Ninguém faz música boa sem motivo. Todas que fiz, eu tive motivo!”, afirma o astro da música romântica, que há 30 anos lançava “Meu Ex-Amor”.

Mesmo não dando certo, a relação vale um brinde? “Não vejo que não deu certo. Deu certo até não dar mais. Reconheço um 'foi bom enquanto durou'”, explica.


Amado Batista cantor e compositor

“Quero ser feliz hoje, porque amanhã nem sei se estarei vivo”


AT2 - Você vem ao Estado com seu show comemorativo pelos 44 anos de carreira. Percebeu o tempo passar?
Amado Batista - Passou muito rápido, mas já foram 44 anos! Me orgulho de ver as pessoas reconhecendo todo o meu trabalho. Por exemplo, o diretor Jayme Monjardim me ligou dos EUA me contando sobre seu interesse de fazer um filme sobre minha carreira, o “Amado Brasil”. Estão no momento de escolha dos atores. Isso muito me orgulha.

Conta mais?
Será um documentário sobre minha vida, pela Paris Filmes, que também vai virar um musical e possivelmente uma série de TV. Como o Jayme fez sobre a vida da mãe dele (a cantora Maysa).
E esse trabalho já está tomando forma: já fizeram o roteiro, vieram até mim para saber se a cronologia estava correta.
O filme vai pegar do começo da carreira até o primeiro sucesso. Se for fazer o seriado, a ideia é pegar tudo, até o auge da minha carreira, com meus 30 discos de ouro, 30 platina, um de diamante. Será lançado até o início do ano que vem.

Amado promete muitas emoções em show com clássicos e novas canções (Foto: Divulgação)
Amado promete muitas emoções em show com clássicos e novas canções (Foto: Divulgação)

Voltando a falar sobre tempo... Acha que a música esconde um poder especial de congelar momentos?
Sim, mas para quem faz música boa! Veja os Beatles! Eles separaram tem 50 anos e Paul McCartney ainda arrebenta os estádios de tanta gente! Eu penso que música tem que ser simples. Nada de inventar moda.
Teve um dia que um cara foi embora de um show meu dizendo que era playback! Pode? E acho isso bom. Minha banda estava tocando como gravei no disco e eu cantava da mesma forma. Acho que é assim que as pessoas querem ouvir.
Diante de 50 mil pessoas, um cara vai embora achando que eu estava dublando... Para mim, é um elogio. Estava fazendo o que sempre fiz: cantar como no disco.

“Solidão Sem Fim” mostra como as marcas da relação aproximam um casal que não está mais junto, mas que ainda se ama. Você canta o que as pessoas vivem. É isso?
Eu sou um ser humano como todo mundo: com momentos de felicidade, tristeza e preocupação. A vida é assim mesmo.

E qual a melhor forma de driblar a solidão?
Vai de pessoa para pessoa. Cada um enterra um problema da sua forma. Se estou arrasado, demonstro. Feliz, também.

Já me disse que adora viver uma paixão, e as mulheres te inspiram. Mas quem ama corre o risco de se decepcionar. Não tem medo?
Não tenho nenhuma preocupação com o amanhã. Quero ser feliz hoje, porque amanhã nem sei se estarei vivo! Quero ser feliz hoje, e amanhã também. Mas, se não conseguir ser feliz amanhã, hoje serei! (Risos)

“Golpe Fatal” fala das armadilhas do amor. O que é amor surreal?
É um palavreado de hoje, que circula entre os jovens... Essa canção é do meu filho Rich Batista, Cisco, Darlen Fernando, que está no meu DVD comemorativo. É uma das três inéditas, ao lado de “Larga Tudo e Vem Correndo” e “Amor”. As 17 músicas do trabalho são as mais visualizadas e ouvidas no YouTube.

No ano passado, disseram que estava namorando uma jovem amazonense de 19 anos. Seguem juntos?
É fake news. A garota tirou foto comigo e postou.

Nem liga?
Já me mataram umas 10 vezes, e estou falando com você. (Risos) Como pode? Não temos como impedir as pessoas de falarem. Há pessoas que não te conhecem e falam um monte de baboseiras. É melhor deixar para lá, não dá prestígio para essa gente.

Está com 68 anos e já disse que cuida da saúde. Envelhecer assusta?
Infelizmente, faz parte do processo. Para mim, é uma tristeza muito grande, mas não podemos mudar a natureza das coisas.
Não temos que ficar pensando nisso, para não ficar doido. (Risos). Temos que aproveitar ao máximo nossas oportunidades.

Mas, quando se ama, o suspiro tem maior intensidade. Não acha?
Claro! Esquecemos as coisas ruins...


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados