search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Famílias resgatam hábitos para melhorar o diálogo

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Famílias resgatam hábitos para melhorar o diálogo


Quais são as atividades que você faz com sua família? Talvez preparar uma refeição não seja algo comum na sua casa. Ou quem sabe se sentar à mesa. Ou ainda pintar, montar um quebra-cabeça, jogar tabuleiro ou outra recreação de lazer.

Com mais tempo de convivência em casa, devido à pandemia, as famílias estão tendo a oportunidade de adotar antigos hábitos, para melhorar a saúde e o diálogo.

Na casa da empreendedora Amaline Gusman, 50 anos, e do médico, Pablo Gusman, 49, o hábito de fazer refeições à mesa, com a presença das filhas, Camille, 22, Celine, 20, e Cecília 17, se fortaleceu.

A família investiu ainda em um espaço na varanda para poder cozinhar. “Trazer a preparação dos alimentos para perto, cozinhando juntos, tem sido um tempo muito bom. E passamos a dar mais importância para alimentos saudáveis, e sempre que possível alimentos orgânicos”, conta Amaline.

“Digo que estar junto, cozinhando, como é o nosso caso, melhora o relacionamento, além de trazer memórias afetivas e gustativas da família, dos avós”, afirmou a empreendedora.

Para a nutricionista e colunista de A Tribuna, Gabriela Rebello, as famílias estão mudando hábitos, mas ainda precisam aumentar o consumo de frutas, verduras e legumes, além de diminuir o consumo de alimentos ultraprocessados. “Também precisam aumentar a frequência de atividades físicas e trabalhar o controle do estresse”.

Brunela, além de sentar à mesa com os filhos Sofia, Henrique e Luiz Felipe, aumentou o controle dos eletrônicos. (Foto: Kadidja Fernandes/AT)Brunela, além de sentar à mesa com os filhos Sofia, Henrique e Luiz Felipe, aumentou o controle dos eletrônicos. (Foto: Kadidja Fernandes/AT)

Já a consultora em finanças pessoais Brunela Zambon, 36, além de sentar à mesa com os filhos, Luiz Felipe, 8, Sofia, 6, e Henrique, 4, intensificou um outro hábito: o controle de dispositivos eletrônicos.

Os tablets, por exemplo, só são usados, pelas crianças, às sextas-feiras, durante uma hora por dia; aos sábados e domingos, por duas horas cada, sendo que há condições para o uso.

Ela conta que o controle melhorou o diálogo e o relacionamento em casa, com substituição por atividades como pintura, lego e jogos de tabuleiro.

“São hábitos impactantes na saúde mental das crianças. Elas estão menos ansiosas e irritadas, além de melhorar o sono. O plano de uso dos eletrônicos também precisa ser para os pais. Não dá para proibir, mas tivemos de buscar soluções”, afirma Brunela.

Aumento no desempenho escolar

Se você acha que estar em família pode trazer apenas benefícios para a convivência, especialistas afirmam que há ainda mais vantagens. Autoestima elevada e até melhora no desempenho escolar já são percebidas em famílias que passam mais tempo juntas.

“Alguns estudos mostram que crianças de famílias que fazem refeições juntas têm melhor autoestima, melhor desempenho escolar e menos chance de sofrer depressão. O hábito também traz benefícios para a saúde física”, afirma a psicóloga Naira Delboni.

Ela sugere ainda que as famílias façam atividade física juntas, assim como assistir a um filme, dançar ou ouvir uma música.

Para a psicóloga Monique Nogueira nunca é tarde para resgatar antigos hábitos familiares. “Para um bom convívio familiar é preciso investimento de tempo de qualidade. Todo tipo de relacionamento envolve disponibilidade, dedicação e cuidado diário”.

O terapeuta de família e colunista de A Tribuna, Cláudio Miranda, ressaltou que a falta do diálogo diário e regular é algo que as famílias perderam ao longo dos últimos anos.

“Não conversar é ruim para a saúde do casal e dos filhos, e é uma porta de entrada de problemas de ordem afetivos, emocionais e comportamentais”.

Hábitos que devem ser resgatados

Fazer as refeições à mesa

  • Reafirma a cada momento o amor e o cuidado familiar. Alguns estudos mostram que as crianças de famílias que fazem refeições juntas têm melhor autoestima, melhor desempenho escolar e menos chance de sofrer depressão.

Cozinhar juntos

  • Promove afeto em família, além de, nas crianças, desenvolver habilidades e estimular a relação saudável com a comida. É uma forma de haver cooperação por toda família.

Brincar

  • Trocar os eletrônicos por jogos lúdicos e pintura traz benefícios cognitivos, exercita e melhora a capacidade emocional, intelectual, motora e social das crianças. Deve-se evitar excessos ao celular, games ou TV.

Reunir a família

  • Contar histórias sobre a família. Além disso, é preciso abrir espaço para o diálogo, mas é preciso leveza nas conversas e explicações sobre a situação, e deixar espaços para cada um falar e interagir. Dançar, ouvir música e assistir a um filme juntos também são hábitos que devem ser mantidos entre as famílias.
Fontes: Especialistas consultados e pesquisa A Tribuna.