search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Fadiga pode ser preguiça ou doença
Doutor João Responde

Fadiga pode ser preguiça ou doença

Minha paciente esteve recentemente em outro médico, queixando-se de vários sintomas, tais como, calafrios, irritabilidade, fraqueza, tontura, dor de cabeça e, principalmente, cansaço que persiste o dia inteiro.

Vários exames complementares foram realizados e todos eles se mostraram normais. “Depois de afastar várias hipóteses diagnósticas, ele me garantiu que não se tratava de preguiça, mas de um quadro denominado hipoglicemia reativa”, disse a paciente.

Hipoglicemia significa pouco açúcar no sangue. A primeira vista, essa alteração metabólica pode ser resultado de uma futura diabetes mellitus, doença causada pela perda da capacidade do pâncreas de fabricar insulina, essa substância que transforma glicose em energia.

Como a curva glicêmica se mostrou normal, é bem provável que não se trate de um defeito no pâncreas, mas uma alteração na quantidade de insulina que é jogada no sangue. Explicando melhor, na hipoglicemia metabólica, o pâncreas começa entrar em falência e acaba por gerar um diabetes, que vem a ser a diminuição da produção de insulina.

Embora pareça contraditório, no começo do diabetes, a insulina estará aumentada, levando a uma hipoglicemia. Posteriormente, a glândula perde a capacidade de produzir insulina e o açúcar aumentará, gerando hiperglicemia.

Tendo em vista que a curva glicêmica não mostrou alteração no pâncreas, o diagnóstico aponta para um quadro de hipoglicemia reativa.

“O que seria hipoglicemia reativa?”, perguntou a paciente. Conforme a palavra indica, “reativa” está revelando que a baixa de glicose é proveniente de alguma reação no organismo.

Existe uma glândula localizada sobre os rins, denominada suprarrenal. Ela fabrica uma substância chamada adrenalina, cuja função lembra emoção. Todas as vezes que nos encontramos diante de alguma ameaça – um assalto ou um ataque de animal feroz, por exemplo –, essa glândula libera adrenalina na corrente sanguínea, chegando imediatamente ao pâncreas, onde irá estimular a produção de insulina.

Essa irá rapidamente queimar todo o açúcar disponível, gerando energia, cuja finalidade é proporcionar ao indivíduo o recurso de lutar ou fugir da situação vigente. Essa atitude chama-se instinto e sempre ocorrerá na presença do medo.

Atualmente, o medo vem gradativamente sendo substituído pela ansiedade, esse medo de ter medo. Ao contrário dele, que se manifesta de maneira aguda, a ansiedade é um sentimento subjetivo e persistente.

Indivíduos ansiosos gotejam adrenalina no sangue durante o dia inteiro, gerando insulina, queimando glicose e produzindo energia, tudo isso de maneira contínua.

Como já se pode adivinhar, esse gasto de energia irá produzir cansaço diário, que lembra um carro ligado em ponto morto, queimando desnecessariamente todo o combustível, sem ir a lugar nenhum.
Baseado nisso, podemos concluir que esse cansaço da senhora não é preguiça. Na verdade o desânimo está ocultando uma indesejável e crônica ansiedade.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Exclusivo
Doutor João Responde

Quando o estresse vira veneno

Brotam preocupações nos semblantes das pessoas que aguardam na recepção daquele hospital. Na sala ao lado, uma mulher grita. De dentro dela, um médico puxa um neném todo sujo e amassado. Após levar …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tenho medo de infartar de novo

Vítimas de infarto costumam temer o retorno da doença. É comum esse tipo de paciente confundir seus sintomas, acreditando que dores e desconfortos sejam sinais de um novo ataque cardíaco. Atendi …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tenho angústia ou ansiedade?

Acompanhada pelo marido, visivelmente inquieta, a paciente mal sentou e foi logo dizendo: “Doutor, eu ando muito nervosa e tudo me incomoda. Estou tendo dificuldade de dormir e vivo com dor de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Será que tenho mau hálito?

Bom dia! Em que posso ajudá-los? Dessa maneira iniciei a consulta daquela senhora, acompanhada pelo engraçado marido. “Doutor, meu esposo anda com brincadeiras sem graça, por causa do meu hálito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Causas de hemorroidas

Hemorroidas têm atormentado o homem desde tempos imemoriais, quando este tomou a postura ereta, uma vez que essa enfermidade só é encontrada na espécie humana. Existem referências dessa …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças podem comprometer o funcionamento da tireoide

A glândula tireoide lembra uma borboleta, com seu corpo esguio agarrando-se à parte inferior da cartilagem tireoidiana, que está sobre a laringe, enquanto as asas, os dois lobos da glândula, estão …


Exclusivo
Doutor João Responde

Muitos gênios da humanidade foram disléxicos

Os primeiros profissionais que se interessaram pelos distúrbios da linguagem foram os oftalmologistas, afirmando não serem os olhos que leem, mas o cérebro. É importante lembrar que o indivíduo …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados