search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Fabrício Queiroz esperava ser assessor no Senado

Notícias

Publicidade | Anuncie

Política

Fabrício Queiroz esperava ser assessor no Senado


Fabrício Queiroz foi preso no mês passado (Foto: Reprodução / Twitter)
Fabrício Queiroz foi preso no mês passado (Foto: Reprodução / Twitter)

Em depoimento, o ex-assessor Fabrício Queiroz disse ao Ministério Público Federal que “esperava” ser nomeado para trabalhar no gabinete de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no Senado, antes de vir a público o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontou movimentações de R$ 1,2 milhão nas suas contas.

Queiroz foi ouvido pelo procurador Eduardo Benones, do Ministério Público Federal, na condição de testemunha, que não lhe dá o direito de permanecer em silêncio.

A investigação do MPF apura suspeitas de vazamento na Operação Furna da Onça — o empresário Paulo Marinho disse que a equipe de Flávio recebeu um vazamento da PF do Rio avisando que foram detectadas movimentações financeiras atípicas de Queiroz e que ele foi demitido do cargo por isso.

Neste depoimento, o ex-assessor afirmou que tinha a expectativa de ser nomeado por Flávio para seu gabinete no Senado. Essa nomeação, entretanto, não ocorreu.

O ex-assessor disse não conversar com Flávio sobre uma possível nomeação ao Senado. “Apenas esperava que isso viesse a ocorrer devido aos bons serviços que prestou durante a candidatura”.
É do celular da mulher de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, que vem a informação de que o ex-assessor passou por pelo menos três endereços, em cidades diferentes, ligados a Wassef.

Segundo informações do MP do Rio, Márcia e Queiroz foram até São Paulo no dia 18 de dezembro de 2018, dias depois da divulgaçao do relatório do Coaf que apontou a movimentação de R$1,2 milhão.

No mesmo mês, segundo reportagem do Jornal da Band, Queiroz ficou hospedado por cinco meses em um apartamento na Praia de Pintangueiras, no Guarujá, que pertence à família de Wassef.

Queiroz teria ficado no apartamento logo após ter sido submetido a uma cirurgia de câncer de colon. Cerca de 2 meses após chegar ao apartamento de Wassef, no fim de fevereiro de 2019, dados do celular de Márcia apontaram que ela passou a ir até o local várias vezes.

Depois de 4 meses de registros de visitas da mulher de Queiroz no Guarujá, informaçoes obtidas pelo MP mostram que eles foram para o sitio em Atibaia, em que Wassef mantinha um suposto escritório de advocacia.

Caseiro era olheiro de Wassef em Atibaia

Frederick Wassef, ex-advogado de Flávio Bolsonaro e dono do imóvel onde estava Queiroz (Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 21/11/2019)
Frederick Wassef, ex-advogado de Flávio Bolsonaro e dono do imóvel onde estava Queiroz (Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 21/11/2019)
Um empresário de Atibaia que frequentava a casa onde o ex-assessor Fabrício Queiroz ficou hospedado no interior de São Paulo, e cujo dono é o advogado Frederick Wassef, disse que o caseiro do imóvel era olheiro do defensor.

A informação reforça os indícios de que o ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) mantinha controle sobre a rotina de Queiroz em Atibaia, ao contrário das declarações iniciais de Wassef, que primeiramente negava ter atuado na proteção e no abrigo de Queiroz e sua família.

“Eu fui algumas vezes lá (na casa). Tinha dois quartos (um deles ficava trancado), um banheiro e uma sala grande. Nos fundos, ficava o caseiro, que era como se fosse um olheiro. Contava tudo para o patrão”, afirmou, em entrevista ao O Globo, o empresário Daniel Bezerra Carvalho.

“Tudo que acontecia, eu acho que o cara (caseiro) passava para frente. Quem foi, quem não foi ( à casa). Ele (Queiroz) não ficava preso. Não era obrigado a não sair. Mas com certeza os passos dele estavam sendo monitorados por alguém”, completou.

Segundo o empresário, o caseiro Orlando Novaes ficava numa casa nos fundos do terreno.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados