search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ex-deputado federal, um dos fundadores do Partido Verde morre em acidente de trânsito

Notícias

Publicidade | Anuncie

Política

Ex-deputado federal, um dos fundadores do Partido Verde morre em acidente de trânsito


Alfredo Sirkis (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)
Alfredo Sirkis (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)
O ambientalista, político, jornalista e escritor Alfredo Sirkis, de 69 anos, morreu nesta sexta-feira (10) em um acidente de carro no Rio de Janeiro, no Arco Metropolitano (BR-493), na Baixada Fluminense. Ele morreu na hora.

De acordo com informações passadas pela Polícia Rodoviária Federal, Sirkis estava sozinho no carro, um Volkswagem Polo, e seguia em direção à Via Dutra. Na altura do quilômetro 74, o carro saiu da pista, bateu em um poste e capotou.

Segundo apurações feitas com amigos do político, Sirkis seguia para um sítio perto de Vassouras, onde iria encontrar a mãe dele e um filho.


Biografia

Alfredo Hélio Sirkis nasceu no Rio de Janeiro em 8 de dezembro de 1950, filho dos imigrantes judeus-poloneses Herman Syrkis e Liliana Syrkis.

Estudou em escolas particulares tradicionais da cidade até passar para o Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CAp/UFRJ), onde se iniciou na política estudantil, na coordenação do grêmio.

Participou das manifestações contra a ditadura civil-militar de 1964, incluindo a Passeata dos Cem Mil, em junho de 1968.

Sirkis foi vereador por quatro mandatos, deputado federal, secretário de Urbanismo do Rio e candidato a presidente.

Militante da causa ambiental e ex-presidente do Partido Verde, ele havia acabado de lançar um livro em que dizia ter cometido um "sincericídio" ao criticar esquerda e direita brasileiras.

Em "Os Carbonários", Prêmio Jabuti de 1980, Alfredo Sirkis dissecou sonhos e mancadas da geração de 1968, quando ele tinha 18 anos e participou da resistência armada à ditadura militar.

Quarenta anos depois de sua obra-prima, o mesmo militante, há um bom tempo apaixonado pela causa ambiental, lança "Descarbonário". Suas 442 páginas são outra aula de História do Brasil, desta vez sob o ponto de vista de um dos mais experimentados ativistas pelo clima do planeta.

Participou de 11 COPs, a Conferência das Partes, órgão supremo da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

Presidiu por 9 anos o PV nacional e é autor da "Lei Sirkis", que viabilizou o Fórum Global 92 na Conferência Rio-92.

A saga do "Descarbonário" termina na última semana de 2018, quando Sirkis deixou nas mãos do então presidente Michel Temer, em fim de mandato, o documento "Mudanças climáticas: riscos e oportunidades para o Brasil".

Ele era secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima, e o documento destinava-se ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, seu ex-colega da Câmara dos Vereadores do Rio e da Câmara dos Deputados.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados