search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Estudantes criam mão mecânica para aproximar pacientes e familiares

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Estudantes criam mão mecânica para aproximar pacientes e familiares


Apertar a mão e até acariciar alguém a distância não é mais uma ideia impossível. A invenção de cinco alunos da Faculdade UCL utiliza uma mão mecânica para imitar a sensação do toque. A mão, que ficará no leito do paciente, será controlada de casa por um parente ou amigo.

O mecanismo pode amenizar os efeitos do isolamento entre pacientes da Covid-19 e familiares, segundo o estudante e líder do grupo Bernardino José Gonçalves, 26.

Para a médica intensivista Dyanne Dalcomune, a utilização do sistema poderia auxiliar na estabilidade emocional e na sensação de conforto dessas pessoas.

Alunos Bernardino e Valério e a professora Zirlene mostram  equipamento (Foto: Leone Iglesias/ AT)Alunos Bernardino e Valério e a professora Zirlene mostram equipamento (Foto: Leone Iglesias/ AT)

A inovação foi desenvolvida na disciplina de Projeto Integrador, do 5º Período do curso de Sistemas de Informação da Faculdade UCL, Campus Manguinhos, Serra.

O professor da matéria, João Paulo Chamon, 41 anos, desafiou os estudantes a criarem uma rede social que incluísse o tato como experiência para os usuários.

Os cinco integrantes do grupo inspiraram-se na enfermeira que utilizou uma luva descartável com água morna para acalentar pacientes graves distantes da família.

A partir disso, eles construíram, com base em projetos já existentes, dois dispositivos: um para emissão do gesto (luva) e outro para a recepção do toque (mão mecânica). Uma rede social, totalmente inovadora, foi desenvolvida para conectar os equipamentos e mediar a comunicação.

Além de mensagens de texto e de voz, eles incluíram duas funcionalidades: o envio de emojis (imagens compartilhadas representando emoções), que são traduzidos em gestos pela mão mecânica, e a reprodução de movimentos livres que o usuário da luva pode fazer através do dispositivo.

A coordenadora do curso de Sistema da Informação, Zirlene Effgen destacou a importância do projeto para o momento de isolamento social. “Foi muito encantador porque é possível transmitir, através do movimento da mão, o carinho de quem está distante”.

O sucesso do sistema, intitulado “Virtual Touch”, tem baixo custo de execução. De acordo com o aluno Valério Gabriel Ribeiro Zucoloto, 23 anos, para a construção dos dispositivos, cada membro do grupo desembolsou cerca de R$ 50.

Ele conta que o grupo ainda discutirá os próximos passos do projeto. Mas eles já desejam disponibilizar o sistema com o objetivo de contribuir com a sociedade.


COMO FUNCIONA


  • Os celulares de ambos os usuários devem estar conectados à internet e ao aplicativo para o funcionamento correto dos dispositivos.
  • A luva é utilizada por quem está fazendo o gesto – os familiares/amigos do paciente.
  • Ela transmite as informações diretamente para a mão mecânica, que deve estar em contato com o paciente. A mão mecânica reproduz o gesto de quem está utilizando a luva.
  • A rede social, utilizada por ambos os usuários, conecta a mão e a luva, permitindo a troca de mensagens e a interação gestual.