search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Estou magro, mas sou gordo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo.

“Estou com uma cirurgia bariátrica marcada para daqui a duas semanas”. Eu gostaria que o senhor solicitasse os exames indicados pelo cirurgião”.

Perfeitamente, respondi. Antes, porém, vamos avaliar seu corpo, verificando se está tudo bem. Vejo que você está pesando 125 quilos. As dietas não funcionaram?

“Eu já tentei todo tipo de regime e nenhum deles resolveu. Fiz até a dieta do caranguejo”.
Essa eu não conheço?!

“Dizem que cada caranguejo contém 80 calorias. Para comer um caranguejo, nós damos tanta pancada nele, tentando encontrar um fiapo de carne, que acabamos gastando 100 calorias, tentando encontrar 80 calorias. Portanto, estaremos perdendo 20 calorias por cada crustáceo degustado.”

Enquanto eu ria, ele afirmava ter consciência dos males que a obesidade pode ocasionar.
“Sei que devo me cuidar. Entretanto, o que incomoda são as constantes gozações que ouço diariamente: ‘Rolha de poço’, ‘Esvaziador de piscina’, ‘Chupeta de baleia’, ‘É verdade que andar em volta de você pode ser considerado um teste de Cooper?’, ‘Se alguém, durante o verão, estiver do seu lado esquerdo e resolver caminhar para o lado direito, chegará somente no inverno?’”
“Por que engordamos?” Perguntou.

Existem várias teorias. A mais moderna sinaliza para as alterações da leptina, hormônio que regula a fome e a saciedade. Estudos apontam para descoberta de drogas que serão capazes de agir nessa substância. Até lá, restam dietas e cirurgia bariátrica.

O tempo passou e, um ano depois, o paciente voltou. Logo que entrou no consultório, eu perguntei: Por que você não fez a cirurgia bariátrica?

“Eu fui operado, doutor. Cheguei a perder 30 quilos, mas engordei novamente. No começo, meu estômago rejeitava grandes volumes de alimentos, respondendo com ânsia de vômito e empachamento. Vivia com fraqueza, tontura, diarreia, falta de ar e depressão. Com o passar dos dias, eu encontrei uma maneira de melhorar, ingerindo pequenos volumes de nutrientes. Meu estômago aceitava chocolate e sorvete, desde que fossem sugados lentamente. Criei meu próprio boicote e fracassei, recuperando o peso perdido.”

Seu estômago emagreceu, mas seu cérebro continua obeso. Quando nascemos, a primeira relação que temos com o mundo vem através da boca. Ao chorar, a criança é levada ao colo da mãe, recebendo alimento, segurança e amor. Passamos a vida inteira buscando alimentar e ser alimentado, amar e ser amado, segurar e ser segurado.

Quando nos falta segurança, clamamos por alimento. Quando nos falta alimento, imploramos por amor. Quando nos falta amor, usamos o alimento e a segurança, para trazê-lo de volta.

Quem emagrece rápido, além da gordura, está perdendo um pouco de si mesmo. Por isso, enquanto a razão te ouvia, a emoção comia escondida.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Exclusivo
Doutor João Responde

Fadiga pode ser preguiça ou doença

Minha paciente esteve recentemente em outro médico, queixando-se de vários sintomas, tais como, calafrios, irritabilidade, fraqueza, tontura, dor de cabeça e, principalmente, cansaço que persiste o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados