X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Vasco perde da Cabofriense e se complica na Taça Guanabara

| 31/01/2020 13:45 h | Atualizado em 31/01/2020, 13:58

Imagem ilustrativa da imagem Vasco perde da Cabofriense e se complica na Taça Guanabara
Deu tudo errado para o Vasco. Em um jogo que deveria ser disputado na noite de quinta-feira, mas que foi adiado para a manhã desta sexta por conta das fortes chuvas no Rio de Janeiro que causaram problemas de iluminação na região do estádio de São Januário, o time alvinegro sucumbiu ao forte calor e foi derrotado pela Cabofriense, que até então só havia perdido no Campeonato Carioca, por 1 a 0, pela quarta rodada da Taça Guanabara.

O resultado negativo, que atiçou a ira dos pouco mais de 3.100 torcedores que encararam o clima escaldante em São Januário - seis pessoas passaram mal e tiveram que ser atendidas no posto médico do estádio -, complicou e muito a situação do Vasco no primeiro turno do Estadual. Com quatro pontos, o time alvinegro está na quarta posição do Grupo B e agora não depende mais de si para se classificar às semifinais. Precisa vencer Botafogo e Portuguesa-RJ e torcer por derrotas de Volta Redonda e Madureira nas duas rodadas finais.

Para complicar ainda mais a situação, o Vasco entrará em campo contra o Botafogo, neste domingo, no estádio do Engenhão, com um time totalmente reserva, como anunciado anteriormente pelo técnico Abel Braga, por causa da estreia na Copa Sul-Americana contra o Oriente Petrolero, da Bolívia, na quarta-feira, em São Januário.

Para a Cabofriense, até é possível brigar por uma vaga às semifinais da Taça Guanabara no Grupo A - é o quinto colocado com três pontos, quatro atrás dos líderes Boavista e Flamengo -, mas fica o alento de ter marcado o seu primeiro gol na competição e não ser mais o pior time no momento. De uma vez só deixou Resende, Bangu e Macaé para trás.

Em campo, o desgaste emocional pelo adiamento da partida e o físico por conta do forte calor do final da manhã e início da tarde na zona norte do Rio de Janeiro deixaram o jogo mais lento ainda no primeiro tempo, na medida certa para a estratégia da Cabofriense de se fechar e aproveitar os contra-ataques. O Vasco buscou o gol de todas as maneiras possíveis, mas pouco incomodou o goleiro George. Do outro lado, o time de Cabo Frio conseguiu um pênalti nos minutos finais e abriu o placar com Léo Aquino.

Para o segundo tempo, Abel Braga colocou o garoto Vinícius na ponta direita e foi desse lado que as melhores chances vascaínas aconteceram. Para desespero e raiva dos torcedores, que vaiaram o time e o presidente Alexandre Campello, pedindo a contratação de jogadores, inúmeras oportunidades foram desperdiçadas. Inclusive com Talles Magno, uma das maiores promessas em São Januário.

FICHA TÉCNICA

VASCO 0 x 1 CABOFRIENSE

VASCO - Fernando Miguel; Yago Pikachu, Leandro Castán, Werley e Henrique; Bruno Gomes (Juninho), Raul e Gabriel Pec (Vinícius); Talles Magno, Germán Cano e Marrony (Ribamar). Técnico: Abel Braga.

CABOFRIENSE - George; Watson (Cardoso), Lucas Cunha, Igor e Guilherme; Magno, Léo Aquino (Victor Souza), Gama e Rafael Pernão; Abner (Dudu Pedrotti) e Rincón. Técnico: Luciano Quadros

GOL - Léo Aquino (pênalti), aos 44 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS - Yago Pikachu, Werley e Raul (Vasco); George e Watson (Cabofriense).

ÁRBITRO - Paulo Renato Coelho.

RENDA - R$ 289.996,00.

PÚBLICO - 3.113 torcedores presentes (8.488 ingressos vendidos).

LOCAL - Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro (RJ).
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS