X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

STJD marca julgamento de jogadores investigados por esquema de apostas

Oito atletas investigados pela Operação Penalidade Máxima serão julgados


Imagem ilustrativa da imagem STJD marca julgamento de jogadores investigados por esquema de apostas
Entre os intimados está o zagueiro Eduardo Bauermann, do Santos |  Foto: Raul Baretta/Santos FC

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) marcou para a próxima quinta-feira, dia 1º de junho, o julgamento de oito atletas investigados pela Operação Penalidade Máxima, que trouxe à tona um esquema de apostas no futebol brasileiro. A data foi estabelecida em edital de citação e intimação publicado nesta quinta.

Os jogadores intimidados são Eduardo Bauermann (Santos), Fernando Neto (São Bernardo), Gabriel Tota (sem clube), Igor Cariús (Sport), Kevin Lomónaco (Bragantino) Matheus Gomes (sem clube), Moraes (Aparecidense-GO) e Paulo Miranda (sem clube).

Lomónaco e Moraes confessaram participação no esquema de apostas e fizeram um acordo com o Ministério Público de Goiás, por isso se tornaram testemunhas do caso, o que não vale para o âmbito desportivo. Os dois jogadores, portanto, continuam sujeitos às mesmas punições do STJD que os demais jogadores investigados.

Todos os denunciados irão responder por atuar, deliberadamente, de modo prejudicial à equipe que defende (artigo 243 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva) e por atuar de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida, prova ou equivalente (artigo 243-A).

Em casos de infração cometida mediante pagamento de qualquer vantagem, as punições previstas são suspensão de 360 a 720 dias, banimento no caso de reincidência e multa de R$ 100 a R$ 100 mil Matheus Gomes e Gabriel Tota foram enquadrados também no artigo 242, por dar ou prometer vantagem indevida para que algum indivíduo influencie o resultado de partida, prova ou equivalente.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: